Na noite desta quarta-feira (7), na Câmara dos Deputados ocorreu um ato histórico no país. O Deputado Federal Jair Messias Bolsonaro participou de um ato simbólico de filiação ao PSL (Partido Social Liberal). E nesta ocasião lançou a sua pré-candidatura ao cargo de Presidente da República.

Lembremos que em janeiro deste ano, Bolsonaro anunciou que deixaria o PSC para se tornar pré-candidato do PSL ao Palácio do Planalto, e assim foi feito.

Do lado de fora do Palácio Nereu Ramos, havia um boneco inflável de, aproximadamente, 12 metros de altura do Deputado Jair.

Sobre seu discurso

Por cerca de 40 minutos o Deputado discursou nesse ato memorável.

Nele, pode se notar que os que estavam ali presentes ficaram completamente eufóricos.

A plateia gritava incansavelmente “Mito, mito, mito”, adjetivo este que o acompanha por um bom tempo, e que foi dado carinhosamente pelos seus eleitores. Além dos gritos e dos choros, pode-se ouvir também o pedido de prisão do ex-presidente Lula, que foi condenado unanimemente pelo tribunal da operação Lava Jato.

Bolsonaro também discursou mais uma vez a favor da revisão do Estatuto do Desarmamento, e disse que a tal "bancada da bala" que é composta pelos Deputados que a apoiam, irá aumentar e se transformar na "bancada da metralhadora" para defender a liberdade e a vida. "A violência se combate com energia e, se for o caso, com mais violência", disse ele.

Em seu discurso, ele foi muito incisivo sobre a possibilidade dele apoiar de alguma forma a esquerda."Se eu for eleito não pretendo negociar uma vírgula com os partidos de esquerda", relatou o candidato.

Em outro trecho de seu discurso ele continua: "Quem reza nessa cartilha da esquerda não merece conviver com os bens da democracia e os bens do capitalismo".

Jair confessou que começou a pensar na ideia de se candidatar a Presidente da República em meados de 2014, mas se perguntava como ele chegaria ao posto sem dinheiro, sem conchavos e sem estar em um grande partido.

O Deputado também defendeu a desburocratização a desregulamentação, a privatização e a redução de impostos. "Nós do Estado não podemos atrapalhar quem quer produzir, inovar, trabalhar, estudar", disse Bolsonaro.

O pré-candidato a Presidência da República também falou sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo, e disse que ele não tem nada contra os homossexuais, porém na Constituição está presente que o casamento natural é entre homens e mulheres, e que casamento entre pessoas do mesmo sexo para ele não é normal.