O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e relator dos processos da Operação Lava Jato no Supremo, Edson Fachin, está recebendo visitas ''excepcionais'' dentro do seu gabinete na Suprema Corte. O ministro está sendo procurado por advogados de Lula e petistas [VIDEO]que tentam de tudo para livrar o ex-presidente da cadeia.

Recentemente, Fachin esteve em um encontro com o novo advogado de Lula e também ex-ministro do STF, Sepúlveda Pertence. O encontro entre o advogado e Fachin durou mais de uma hora e foi registrado na agenda. A equipe de Lula está exercendo grande pressão tanto em Fachin quanto na presidente do Supremo, Cármen Lúcia.

O objetivo é fazer com que Lula não seja preso após decisão de segunda instância dando uma reviravolta no caso do petista.

Além de estar ao lado de Sepúlveda para ouvi-lo, Edson Fachin também recebeu nomes como Tião Viana, Luiz Marinho e Gilberto Carvalho, todos do PT.

Outros ministros do Supremo, como Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Dias Tofolli também estão recebendo a visita de diversos petistas. Segundo informações do portal ''Isto É'', a tática feita pelo Partido dos Trabalhadores é de ''guerrilha''. O PT tenta a todo o custo livrar o seu comandante máximo de partido da prisão, e quem sabe, assim, fazer com que Lula seja candidato a presidência da República ainda este ano. Conforme condenação, Lula está inelegível e sua prisão poderá ocorrer em breve.

Advogado tenta de tudo

Sepúlveda Pertence já está com a estratégia pronta para julgamento do habeas corpus de Lula no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O advogado afirmará que a prisão após condenação em segunda instância não é válida para todos os casos e pode ser cancelada. Desta forma, Lula teria a chance de conseguir se livrar da cadeia. Outro ponto que será levantado pelo advogado é que o juiz federal Sergio Moro, responsável por condenar Lula em primeira instância, autorizou o recurso em liberdade e o Ministério Público Federal (MPF) [VIDEO] não deu manifestação sobre a situação.

Nesta próxima terça-feira, 6 de março, o habeas corpus de Lula será julgado. O petista foi condenado pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal, da 4ª região, em 12 anos e um mês de cadeia. A pena de Lula foi aumentada devido ao processo de um tríplex no litoral de São Paulo, Guarujá. O petista foi condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o imóvel seria fruto de vantagens indevidas vindas através da empreiteira OAS.