Um dos mais destacados generais [VIDEO] do estilo "linha-dura" do Exército brasileiro [VIDEO], militar Carlos Alberto dos Santos Cruz, se manifestou enfaticamente após uma breve análise da crise da segurança pública que atinge dramaticamente o estado do Rio de Janeiro e também todo o Brasil. O General Santos Cruz foi nomeado como secretário-executivo do novo Ministério da Segurança Pública, criado pelo presidente da República, Michel Temer.

Vale ressaltar que o recém-nomeado general supracitado para o cargo de secretário-executivo de uma das pastas que mais chamam atenção da sociedade civil organizada, em se tratando do "espinhoso" tema da segurança pública no Brasil, já foi chefe de missões de paz do Exército brasileiro no exterior, principalmente, em países que atravessaram fases muito complicadas, como Haiti, na América Latina, e também alguns países do continente africano.

Entretanto, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz não tem participação direta no processo de intervenção federal no estado do Rio de Janeiro, sob a condução do general Walter Braga Netto.

General se expressa sobre a crise da segurança no Rio de Janeiro

Ao se manifestar recentemente sobre o "retrato" da segurança pública no estado do Rio de Janeiro, o general Santos Cruz foi categórico, ao comentar que a atual crise no estado seria fruto de "uma longa história de falta de vergonha na cara", em alusão aos recentes escândalos políticos que permeiam a realidade dos cariocas. O militar foi ainda mais longe, ao considerar que vencer os traficantes não seria algo suficiente para proporcionar uma solução duradoura à situação enfrentada no Rio de Janeiro. O general aponta que são extremamente necessários investimentos em áreas sociais, por meio de ações governamentais.

Vale lembrar que na última quarta-feira (28), alguns integrantes da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro (Alerj), se reuniram com o interventor federal da Segurança Pública no estado fluminense, Walter Braga Netto. O encontro ocorreu no Palácio Duque de Caxias, na região central da capital fluminense.

Durante a realização da reunião, o general Braga Netto afirmou que as ações da intervenção federal estariam aptas a alcançar cidades de todo o estado. Entretanto, o militar preferiu não dar declarações, após o encontro com os parlamentares cariocas. Segundo a presidente da comissão supracitada, deputada estadual Martha Rocha (PDT-RJ), teria sido criado um canal de comunicação entre o interventor federal e o poder legislativo estadual.