O comandante máximo do Exército brasileiro e um dos maiores expoentes da atualidade nas Forças Armadas no Brasil, general Eduardo Villas Bôas, se manifestou enfaticamente a respeito da atual situação de crise de segurança pública no estado do Rio de Janeiro, que se encontra sob intervenção federal, cujo comando das ações inerentes às forças de segurança estão a cargo do general do Exército, Walter Braga Netto.

Durante manifestação em seu perfil de rede social do Twitter, o general Villas Bôas foi categórico ao afirmar que a intervenção federal no Rio de Janeiro é apoiada pelo Exército brasileiro, já que o decreto se baseia na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no estado fluminense.

Resposta dura contra defensores de criminosos

Durante sua manifestação nas redes sociais, o general Eduardo Villas Bôas afirmou que sua equipe de trabalho estaria estudando alguns casos internacionais que teriam se passado como algo extremamente bem sucedido no combate ao crime organizado no mundo. O militar escreveu em sua conta no Twitter, neste sábado (31) e deu uma forte resposta aos setores da sociedade que defendem a criminosos, em detrimento da situação totalmente sem qualquer apoio das vítimas da violência no país. De acordo com o general Eduardo Villas Bôas, como chefe da instituição do Exército brasileiro e alto representante das Forças Armadas [VIDEO], de que a sociedade deveria ser estimulada a reagir à ideia de que criminosos sejam vítimas da mesquinheza social, já que as verdadeiras vítimas seriam a própria sociedade.

Vale ressaltar que durante o período em que foi implementado o processo de intervenção federal no estado do Rio de Janeiro, em meados do mês de fevereiro, o comandante máximo do Exército convocou o militares para apoiarem enfaticamente a medida tomada pelo Governo do presidente Michel Temer. Naquela ocasião, Villas Bôas afirmou que a grande solução para toda a crise de segurança pública que permeava a realidade cotidiana da sociedade fluminense deveria exigir dos militares e dos poderes governamentais, toda uma sinergia, sacrifício e comprometimento, dos poderes constitucionais, das instituições públicas e também da própria população.

Há, inclusive, outros fatores delineados pelo general Eduardo Villas Bôas, que podem ser extremamente eficazes no combate ao crime organizado no Brasil, como a centralização da segurança pública no país, além de ações sociais que possam permitir o avanço coordenado nas comunidades. Vale lembrar que no mês de fevereiro passado, o general Villas Bôas, o governo federal criou o Ministério da Segurança Pública, que tem como objetivo favorecer a integração dos órgãos policiais de todos os estados do país.