A possibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula [VIDEO], ser preso, o que aumento desde sua condenação em segunda instância no TRF-4, tem mexido bastante com as lideranças do Partido dos Trabalhadores - PT. Nesta segunda-feira, 12, durante seminário sobre segurança pública cidadão, a presidente da sigla, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), voltou a abordar com veemência o tema.

Gleisi já havia sido bastante polêmica no início do ano quando chegou a mencionar que teria que "morrer gente" antes de Lula ser preso. Em outra ocasião, por outro lado, relembrou que o PT é um partido pacífico e, dessa vez, voltou a falar que o partido e a militância não vai aceitar "mansamente" a eventual prisão do principal líder.

"Não podemos aceitar mansamente. Que não comecem a achar que estou pregando a revolução ou que vai ter revolução de nossa parte, porque não. Mas a nossa militância e aqueles que andaram sempre ao lado de Lula não vão aceitar de forma mansa", bradou.

A senadora também elencou duras críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e apontou uma possível "inércia" da Corte em decidir ou não a validação de prisões após o julgamento em segunda instância, que é o caso de Lula [VIDEO] desde janeiro de 2018.