O juiz Marcelo Bretas, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, utilizou o seu Twitter para expressar um momento de grande revolta com a Justiça no Brasil. Sem mencionar nomes, a mensagem parecia que tinha um alvo certo, já que Bretas teria tido sérios problemas com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que tem soltado os presos condenados pelo juiz.

A mensagem postadaneste domingo (25) é interessante e intrigante ao mesmo tempo. Em algumas palavras, Bretas ressalta que o juiz sempre deve atender aos fins sociais [VIDEO] na aplicação da Lei, buscando as exigências do bem comum.

Após essa frase, o juiz solta uma pergunta: "Quem, e com que autoridade, pode dizer que o Poder Judiciário não deve escutar a voz das ruas?".

A indireta de Bretas pode ter ido em direção ao ministro Gilmar Mendes, que não aceita a prisão de vários criminosos da Operação Lava Jato [VIDEO] e isso tem causado uma revolta nas pessoas. O povo não aceita a impunidade e até mesmo em vários locais, Mendes tem sido hostilizado por pessoas indignadas com suas atitudes.

Gilmar Mendes

O ministro da Corte tem sido um dos responsáveis em tomar decisões que beneficiem o ex-presidente Lula. Em seus discursos, ele sempre se mostra contrário aos juízes da Lava Jato, e não concorda com a jurisprudência do STF sobre a prisão após a condenação em segunda instância.

O STF remarcou para o dia 4 de abril o julgamento do habeas corpus de Lula e esse dia será decisivo para as pretensões futuras da Lava Jato.

Mendes tem programado uma viagem para Portugal, onde participará do 6° Fórum Jurídico de Lisboa.

O evento tem ligação com a instituição de ensino de propriedade do ministro.

Em decorrência do julgamento do petista, Gilmar Mendes está pensando em abandonar o evento e ajudar Lula para que consiga o habeas corpus.

Respeito ao povo

Nas suas publicações através do Twitter, Bretas tem falado muito sobre o respeito ao povo e que a sociedade deve sempre se manifestar e lutar pela Justiça.

De acordo com o juiz, as mudanças só virão se as pessoas se unirem de forma clara e objetiva.

O magistrado também declarou que é de grande importância analisar a trajetória de cada político, ver seu histórico profissional e saber como ele chegou até o poder. Dessa forma, dá pra separar o joio do trigo.

O povo está muito descrente com o cenário político do Brasil e não se sabe ainda de qual ponto virá a solução necessária, porém, segundo Bretas, ela não virá de agentes públicos temporários, que só querem investir-se no poder.