Enquanto discursava protegido por guarda-chuvas de ovos que eram atirados na direção do seu palanque [VIDEO], em São Miguel do Oeste (SC), na noite deste domingo (25), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse esperar que a Polícia Militar dê um "corretivo" nos agressores. Irritado com a ovada, o petista chamou os atiradores de ovos de "canalhas", mas afirmou que não iria revidar.

"Eu espero que a PM tenha a responsabilidade de entrar naquela casa, pegar esse canalha e dar um corretivo nele que ele precisa ter pra não atacar ovo nas pessoas", disse Lula, fazendo referência ao fato de que os ovos foram atirados de um prédio vizinho ao local onde o comício era realizado.

A caravana de Lula pelo Sul do País tem sido alvo de agressões [VIDEO]. Antes da ovada, no sábado (24), manifestantes jogaram pedras em direção ao palco onde o petista discursava em Chapecó (SC). Houve confrontos na praça da cidade entre militantes petistas e grupos anti-Lula, com lançamento de ovos, pedras e rojões.

Uma das pedras atingiu o ex-deputado Paulo Frateschi, que estava ao lado de Lula no palco. Ele foi levado a um hospital com ferimento grave na orelha, mas recebeu curativos e passa bem. No domingo, já em Nova Erechim, o protesto contra a caravana tomou corpo assim que petistas chegaram ao município. Foram registrados danos a um dos ônibus que levam a comitiva pelas cidades do Sul.

No fim do dia, ao comentar a ovada, Lula disse que seus apoiadores não deveria revidar os ataques.

"Esse cidadão, na verdade, está esperando que a gente fique nervoso, suba lá e dê uma surra nele. A gente não vai fazer isso", disse o ex-presidente no evento de domingo.

"Esse cara ou é um débil mental, sabe... Ou ele não tem qualquer apreço pelo ser humano. Porque esse canalha deveria saber que tem crianças aqui", continuou.

A polícia de Santa Catarina informou que reforçou a segurança da caravana de Lula.

"Haverá um dia em que esse filho da mãe vai cair numa desgraça tão grande, que ele vai implorar pra ter um ovo pra ele comer, e vai ter apenas a casca pra ele comer", profetizou.

Candidatura de Lula

A Lei da Ficha Limpa impede que condenados por tribunal colegiado (como o TRF-4) se candidatem depois de encerrados todos os recursos na 2ª instância.

Na esfera eleitoral, a situação de Lula é definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deverá analisar um eventual registro de candidatura do ex-presidente – o que deve acontecer no segundo semestre deste ano. O PT tem até 15 de agosto para protocolar a candidatura. O TSE tem até o dia 17 de setembro para aceitar ou rejeitar a candidatura de Lula.

A Lei da Ficha Limpa prevê também a possibilidade de alguém continuar disputando um cargo público, caso ainda haja recursos contra a condenação pendentes de decisão.