O pastor e deputado federal, Marco Feliciano, PSC (Partido Social Cristão) pelo estado de São Paulo, causou polêmica ao se pronunciar sobre a morte da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), fazendo um desabafo sobre o assassinato. Segundo ele, "verdadeiros papa-defuntos" estão se aproveitando deste momento de luto que comoveu o Brasil para atrair mais seguidores para esquerda.

"Não estão preocupados com as vítimas e seus familiares, mas, sim, em criar um fato político e ter alguns minutos de holofotes para destilar os seus venenos de víboras", disse Feliciano. O assassinato da vereadora criou uma grande mobilização política dos partidos e dos ativistas de esquerda, que, segundo Feliciano, só querem promover o momento e atrair simpatizantes.

Ele se demonstrou indignado com a maneira como a morte da vereadora está sendo divulgada e foi além: "Parece que, para esquerdistas, a morte de seus seguidores é recebida e até esperada para alavancar a luta pela causa". O pastor disse que está orando pelas famílias das vítimas, mas tem dificuldade com a postura adotada por alguns partidos como PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) e PT (Partido dos Trabalhadores).

Feliciano também concorda que o assassinato da vereadora mereça repercussão, mas simplesmente não entende o motivo de não ter tanta mídia e estar em todos os jornais estampados quando as vítimas são os policiais, sendo que em 2017 morreram 134 no Rio de Janeiro, enquanto que de janeiro deste ano até agora são 26 mortos.

O deputado federal também questionou sobre o porquê da morte de alguns valerem mais do que a de outros.

"Uma vida vale mais que a outra?" questionou, levando a entender que o país não está agindo da maneira mais humana possível.

Feliciano ainda disse: "Atitudes como essa são de verdadeiros papa-defuntos, que não estão preocupados com as vítimas e seus seguidores... Hipócritas, respeitem as dores das famílias". O deputado, além de apoiar e defender a ideia de uma intervenção federal no Rio de Janeiro, fez um apelo pedindo para os esquerdistas não fazerem isso virar em uma guerra política, justo agora com a fragilidade em relação à morte da vereadora.

Feliciano falou sobre o assassinato de Marielle em um vídeo, desabafando e apresentado seu pensamento e sua posição sobre a morta da parlamentar. O vídeo foi considerado "explícito" pelo Facebook, que censurou o alcance do material.

O deputado ainda questionou sobre Anderson de Gomes, o motorista do carro que levava a vereadora, afirmando que o assunto é apenas Marielle e que ninguém se importa com a morte dele. Marco Feliciano demonstrou estar indignado com a repercussão e a maneira como a esquerda se aproveitou dos fatos.