Na noite desta última quarta-feira (14), a vereadora do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) [VIDEO], Marielle Francisco da Silva, conhecida no meio político como Marielle Franco, foi assassinada com vários disparos de armas de fogo. De acordo com as testemunhas que presenciaram a execução, o crime foi cometido por mais de um atirador.

De acordo com a polícia, Marielle havia participado de um debate no centro do Rio de Janeiro, quando estava indo embora, foi abordada na rua Joaquim Palhares por um veículo que emparelhou ao seu carro e disparou várias vezes contra a vereadora e os outros dois ocupantes. Além de Marielle, estavam no carro sua assessora e o motorista.

A polícia informou que foram disparados no mínimo nove tiros, sendo que quatro deles atingiram a cabeça da vereadora [VIDEO], que estava no banco de trás. O motorista que dirigia o veículo no momento do crime, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado e não resistiu. Já a assessora de Marielle, Fernanda Chaves, foi atingida pelos estilhaços e teve ferimentos leves, não correndo risco de vida.

Marielle Franco nasceu no ano de 1979, no Complexo da Mará, localizado na zona norte do Rio de Janeiro, e tinha uma filha, Luyara, de 18 anos. Era feminista e formada em sociologia. E como costumava dizer, "cria da favela". Marcada por sua luta incansável a favor dos direitos humanos, ela trabalhou como educadora em uma creche infantil no Complexo da Maré, se tornando professora um tempo depois, além de uma respeitada pesquisadora, conquistando o título de mestre em Administração Pública pela (UFF).

No ano de 2006, quando Marcelo Freixo foi eleito para o cargo de deputado do Rio de Janeiro, Marielle foi nomeada sua assessora parlamentar, assumindo posteriormente o cargo de coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da assembleia.

O PSOL, que era o partido em que atuava a vereadora, se manifestou solicitando que sejam cobrados e punidos os responsáveis pelo crime. O Palácio do Planalto divulgou em nota que Raul Jungmann (Ministro da Segurança Pública) disponibilizou a Polícia Federal para ajudar na investigação. Já a Secretaria de Segurança do Estado acionou a Divisão de Homicídios para investigar os dois assassinatos, além da tentativa de assassinato da assessora da vereadora.

O velório de Marielle, [VIDEO] fechado para parentes e amigos, teve início hoje, às 13h, na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. O enterro será entre 16h e 16h30, no Cemitério de São Francisco Xavier (Cemitério do Caju), localizado na zona norte do Rio. O corpo de Anderson Pedro Gomes, que era motorista da vereadora, também está sendo velado na Câmara e será enterrado do Cemitério de Inhaúma, na zona norte do Rio.