Pela primeira vez desde que assumiu a presidência da República, após a saída por meio de impeachment de Dilma Rousseff em agosto de 2016, o presidente Michel Temer admitiu que pode, sim, ser candidato à reeleição nas eleições marcadas para o final deste ano de 2018.

Ele fez esta afirmação em breve contato com a imprensa nesta terça-feira ao deixar um almoço com o presidente colombiano Juan Manuel Santos. "Vamos ver, não é improvável. Ainda não decidi. Vou tomar uma posição dentro do período legal", resumiu Temer [VIDEO].

De imediato, quem se manifestou de forma contrária à ideia foi Marina Silva, pré-candidata da Rede, e que vai disputar sua terceira eleição presidencial consecutiva.

Ela entende que esse posicionamento de Temer é no sentido de "se esconder" da Justiça.

"Chega de termos políticos que usam sua função pública como esconderijo para os erros que cometeram perante a Justiça", disse Marina após um evento no Fórum Mundial da Água, em Brasília.

No cenário atual das últimas pesquisas, Marina tem oscilado no terceiro lugar se aproximando da margem do candidato segundo colocado, que é Jair Bolsonaro. Lula [VIDEO], que ainda tem presença incerta no pleito, lidera todos os levantamentos até agora.