A ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia [VIDEO] está sendo pressionada por não colocar em discussão, novamente, a prisão após condenação em segunda instância. Logo após o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva ser condenado a 12 anos e um mês de cadeia pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal, da 4° região, a ministra não teve mais sossego.

A defesa do ex-presidente, assim como próprios colegas da Corte, pressionam Cármen para rediscutir o tema.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lula

Um dos ministro do Supremo, o decano Celso de Mello, poderá, a qualquer momento, contrariar a posição de Cármen Lúcia e ajudar a defesa de Lula. Com isso, Mello guarda o ''segredo'': ele será capaz de contrariar Cármen Lúcia e ainda ajudar Lula?

Celso de Mello é um dos ministros que é contra a prisão após condenação em segunda instância.

Alguns ministros que pensam como Mello já manisfestaram o desejo de levar o assunto em pauta novamente.

Celso de Mello poderá fazer um ''sacrifício'' pelo tribunal, mesmo que isso abale sua amizade com Cármen Lúcia. A defesa de Lula agradecerá.

Cármen Lúcia

A presidente do Supremo concedeu uma entrevista nesta última terça-feira, 13. Cármen foi enfática quando foi questionada como ela lida com as pressões políticas. A ministra declarou que simplesmente ''não lida'' e não se submete a nenhum tipo de pressão, mostrando ''pulso firme'' ao lidar com casos tão polêmicos na Corte.

As tentativas do ex-presidente Lula de se livrar da prisão estão na estaca zero. O ex-presidente teve recentemente um habeas corpus negado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e também aguarda a decisão final do TRF-4, que ocorrerá ainda nesse mês.

Lula estaria inelegível para se candidatar à Presidência da República nas eleições de 2018. O petista é réu em diversos processos na Justiça e poderá ser ''pego de surpresa'' pelo camburão da Polícia Federal. A pressão em Cármen Lúcia seria a esperança de Lula. Caso a ministra coloque o tema da prisão em segunda instância em pauta, a mudança de opinião de alguns ministros poderá tirar Lula da reta.

O ex-presidente [VIDEO]é acusado de crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. Lula foi condenado na ação envolvendo um tríplex no litoral de São Paulo, no Guarujá. O imóvel seria fruto de propinas envolvendo a empreiteira OAS. Em outras denúncias, Lula é apontado como membro de uma organização criminosa, composta por vários políticos do PT.