Nesta quinta-feira, 8, Edson Fachin, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que a denúncia por organização criminosa contra o ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, de João Vaccari Neto, o ex-tesoureiro do PT e dos ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci, fosse encaminhada à Justiça Federal do Distrito Federal, em Brasília.

Denúncia por formação de quadrilha

Os casos do ex-ministro Paulo Bernardo e da senadora Gleisi Hoffmann permanecem no Supremo.

No entendimento de Edson Fachin, como a senadora Gleisi Hoffmann possui foro privilegiado, pode ser investigada e julgada apenas pelo Supremo Tribunal Federal. Como a conduta-alvo da acusação dos 2 é semelhante e está interligada, o caso de Paulo Bernardo também fica no TSF.

Todos os envolvidos na denúncia são acusados de integrar pessoalmente, ou de, por meio de intermediários, constituir, promover, ou financiar organização criminosa.

A pena para esses delitos, além de multa, é de 3 a 8 anos de prisão.

A Procuradoria Geral da República forneceu a denúncia, no âmbito da Operação Lava Jato, com base nas denúncias de que o PT (Partido do Trabalhador), desviou dinheiro da Petrobras, formando uma organização criminosa.

Lula diz que será um preso político

Entre tantas outras acusações, o que mais pesa, no momento, contra o ex-presidente é a acusação de ter recebido, em troca de contratos na Petrobras o tríplex no Guarujá, que fica no litoral de paulista, como propina aceita da empreiteira OAS.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

Ele insiste que a acusação não tem fundamento, e que é alvo de perseguição política, dos que não o querem como presidente novamente, incluindo o Ministério Público Federal, setores do Judiciário, e da Polícia Federal.

Devido à lei da ficha limpa, Lula provavelmente não poderá disputar as eleições de 2018, e após a derrota que sofreu no STJ (Superior Tribunal de Justiça) dia 6, o ex-presidente gravou um vídeo, que foi divulgado nesta quarta-feira, 7, dizendo que, se for preso, tornar se á um preso político, e os que seus adversários deverão pagar o preço de sua prisão.

Lula acrescentou que espera revisão, por parte dos tribunais superiores, no processo do tríplex do Guarujá.

Lula: estão condenando o melhor presidente que o país já teve

A divulgação do vídeo ocorreu um dia depois que 5ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu negar, de forma unânime, o pedido de habeas corpus impetrada pela defesa do ex-presidente.

No vídeo Lula assegura que não deixará o Brasil para evitar ser preso, mas que se não provarem que ele roubou, terá de ser considerado um preso político e que os

Culpados por sua prisão terão de arcar com a responsabilidade de serem os causadores da prisão do melhor presidente que o Brasil já teve, e atual líder em todas as pesquisas de intenção de voto.

A gafe da “amante”

A senadora pelo PT (Partido do Trabalhador) Gleisi Hoffmann afirmou, depois do escaldante 5 votos a 0 no Superior Tribunal de Justiça (STJ) favor da manutenção da prisão de Lula, que no dia 16 de agosto o ex-presidente será registrado como o candidato oficial do PT, e que tal votação foi apenas mais uma prova da perseguição política sofrida pelo ex-presidente Lula.

A ficha da senadora parece não ter caído ainda, já que o ex-presidente não será candidato porque, pela Lei da Ficha Limpa, qualquer condenado em segunda instância fica inelegível.

Gleisi Hoffmann, que é chamada de “amante” por parte da mídia, disse que o país precisa voltar a ter nossa constituição, que determina que nenhum condenado pode ser preso enquanto ocorre o trânsito em julgado de uma sentença condenatória. Gafe de Gleisi, pois a constituição continua em vigor, e ela determina a prisão de condenados em segunda instância, como é o caso do ex-presidente Lula.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo