Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma entrevista à Rede Globo e suas últimas palavras mostram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá ser preso já no dia 26 de março.

De acordo com ela, nenhum ministro poderá passar por cima de uma decisão da Corte que já foi estabelecida sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Cármen afirmou que seria um grande desrespeito se algum ministro tentasse alterar uma jurisprudência que já foi determinada pelo colegiado. No caso, seria uma verdadeira afronta contra as leis do Supremo.

Em suas últimas palavras na entrevista, a ministra afirmou que não cederá em hipótese nenhuma em relação a alteração do tema em abstrato.

Com certeza, alguns ministros que foram vencidos na votação ocorrida em 2016 sobre esse assunto, queiram lutar para reverter o caso, como por exemplo, o ministro Celso de Mello. O decano queria que fosse feita uma reunião nesta terça (20) para que todos os ministros pudessem conversar sobre esse tema, mas Cármen Lúcia [VIDEO]não aceitou isso, já que seria uma discussão sem méritos nenhuma. Tudo já foi decidido e deve ser cumprido.

Lula [VIDEO]tinha esperança de que esse entendimento sobre o cumprimento da prisão após a condenação em segunda instância fosse alterado e assim, ele poderia conseguir um habeas corpus para não ir preso. A resistência da ministra foi um recado ao petista.

Com a confirmação do desembargador do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF-4), João Pedro Gebran Neto, de que o recurso do ex-presidente estará sendo decidido no dia 26 de março, Lula pode ser preso nesse mesmo dia, pois os embargos declaratórios não alteram a sentença, que terá que ser cumprida imediatamente.

Reunião cancelada

Ministros da Corte afirmaram que não foram convidados para participarem de uma reunião, nesta terça-feira (20), no Supremo, às portas fechadas. A reunião seria uma sugestão de Celso de Mello, mas Cármen não viu necessidade já que não tem o que se discutir sobre um caso já decidido no STF.

Revolta da Celso

O ministro Celso de Mello afirmou, em uma entrevista ao Valor, que Cármen quebrou um acordo feito com ele. Ele disse que a ministra poderá ser constrangida pelos outros ministros nas próximas sessões já que não quis conversar sobre o assunto da prisão após condenação em segunda instância.

O ministro chegou a falar que ela poderá sofrer um constrangimento histórico no STF. Porém, Cármen tem o apoio da maioria dos brasileiros.