O juiz federal Sérgio Moro respondeu ao questionamento da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a cooperação dos Estados Unidos com as investigações da Operação Lava Jato.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, pediu explicações ao juiz sobre as conversas informais entre as autoridades dos EUA com os procuradores brasileiros. Segundo Zanin, é um tipo de colaboração informal baseado na confiança com os procuradores. O advogado quis saber a razão desses contatos e a resposta veio.

De acordo com Moro, conversas informais entre autoridades de países cooperantes podem acontecer independente de já ter fixado uma formalização dos pedidos de cooperação.

As conversas ajudam para que a formalização da extradição de provas ocorra de uma forma contundente.

O magistrado afirmou que isso é feito para que todos os processos estejam dentro dos requisitos de cada país. Para o juiz, o pedido de explicação da defesa do petista é uma fantasiosa imaginação e ressalta que todos os procedimentos tomados com as autoridades internacionais estão amparadas na Lei.

Lava Jato

O juiz comentou que a colaboração desses países foi de grande importância para a Lava Jato e lembrou que os EUA nem é o país que mais cooperou e sim, a Suíça, que disponibilizou documentos de bancos que confirmaram atos criminosos de políticos inescrupulosos envolvidos em graves crimes de corrupção.

Sérgio Moro [VIDEO] reiterou que o pedido da defesa de Lula [VIDEO] é vazio e não faz nenhum sentido.

Todas as provas conseguidas com as autoridades internacionais foram utilizadas e ajudaram a desvendar os atos ilícitos cometidos pelos criminosos.

Em um tom de indignação, Moro afirmou que essa fantasia trazida pelos defensores de Lula sobre a cooperação internacional é algo que está sendo utilizado com grande irresponsabilidade e com interesses eleitorais, se aproveitando de pessoas que se iludem com teorias da conspiração.

Julgamento de Lula

O Supremo Tribunal Federal (STF) remarcou para o dia 4 de abril o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula. Em uma entrevista ao Roda Viva da TV Cultura, o juiz afirmou que a Operação Lava Jato vai além de Lula.

Se o habeas corpus do petista for aprovado pela Corte, muitos bandidos poderão se aproveitar do fato e se livrarem da prisão. Segundo Moro, não são só criminosos ligados à corrupção, mas também estupradores, pedófilos e desviadores de recursos da Saúde e Educação que serão beneficiados com as decisões equivocadas do STF.