O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve um dia infeliz, nesta terça-feira (06). O petista acabou sendo derrotado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por decisão unânime dos ministros. O tribunal negou o pedido para se evitar a prisão do ex-presidente e seus advogados saíram lamentando o placar. O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, a grande esperança de Lula, ficou abatido e saiu do tribunal sem dar muitas palavras. Diante disso, o líder do PT está a um passo das mãos do juiz federal Sérgio Moro novamente.

A ministra Cármen Lúcia já decidiu que não vai colocar na pauta do Supremo o julgamento do habeas corpus de Lula e nem pretende por em votação um novo entendimento sobre a prisão após condenação em segunda instância.

O Tribunal Regional Federal da 4ª região julgará ainda este mês o recurso final do ex-presidente e a tendência é que os desembargadores confirmem a condenação de Moro.

O juiz da Lava Jato terá então, mais uma vez, Lula em suas mãos [VIDEO]. O magistrado estará liberado para decretar a execução provisória da pena do ex-presidente.

Supremo

De acordo com o jornalista Josias de Souza, a situação de Lula ficou delicada. Dois grandes tribunais foram unânimes em sua condenação e assinaram embaixo a sentença de Sérgio Moro. Para Lula, só restará que o Supremo mude o entendimento sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Conforme informações do jornalista, existem milhares de presos pobres no país aguardando um aval da Justiça para serem soltos. Se o Supremo pular todos esses presos e agir de uma forma a beneficiar Lula, se criará, ao invés da Justiça, uma grande injustiça no país.

Cármen Lúcia tem sido pressionada por todos na Corte e a sua força pode significar algo histórico para a Justiça Brasileira. Ela mesmo afirmou que o STF não pode se apequenar diante de um caso específico.

Prisão

Mesmo o líder do PT não tendo sua prisão expedida, pois ainda existem recursos no TRF-4, a Polícia Federal já montou todas as estratégias para levar Lula até Curitiba.

Não se sabe ainda em qual presídio ele ficaria. Autoridades chegaram a pensar no quartel do Exército por ser um local que dificultará possíveis manifestações. Porém, nada ainda é certo.

Em um evento nos Estados Unidos, quando questionado sobre os ataques de Lula a sua pessoa, durante uma entrevista, Moro apenas afirmou que não comentaria a fala de investigados [VIDEO].