O clima está quente entre o presidente da República, Michel Temer, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso. Devido às investigações, Barroso mostrou-se oposto a Temer e autorizou a quebra de sigilo do presidente, assim como a alteração de uma parte do indulto natalino.

Segundo Temer, ainda não está certo o porquê de Barroso estar em uma ofensiva contra ele. Diferente do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, em que Temer acredita que ficou contra o governo por querer ser reconduzido a um mandato à frente da Procuradoria, a reação de Barroso ainda não está clara.

Com o clima abalado, um caso também chama atenção.

No Supremo, o ministro Luiz Fux é responsável por tratar sobre o caso do italiano Cesare Battisti, criminoso que foi acolhido no Brasil pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo parecer da Procuradoria Geral da República [VIDEO], cabe ao presidente decidir o futuro do italiano a respeito da extradição.

Com isso, Barroso mostrou interesse no assunto, colocando-se contra Temer mais uma vez. Barroso demonstrou ser um grande defensor do terrorista.

O presidente levantou a hipótese de Barroso estar tentando atacar Gilmar Mendes e utilizando o presidente para este fim. Não há nada comprovado. Recentemente, Barroso estaria trocando farpas com Mendes, e tudo leva a crer que há uma relação de inimizade no ar.

Barroso ao lado do terrorista

O terrorista italiano Cesar Battisti ficou no Brasil como um asilado político apoiado por Lula.

Na Itália, Battisti foi condenado duas vezes a prisão perpétua por ter cometido crimes de assassinato.

Com a entrada de Temer no Poder, tudo indicava que o terrorista iria voltar para seu país de origem, mas o ministro Luiz Fux concedeu um habeas corpus em favor do criminoso. Agora, a decisão da Procuradoria seria uma esperança para os familiares das vítimas do terrorista. Quem sabe assim Battisti volte para a Itália e possa cumprir sua pena.

Fux e o STF irão decidir sobre o caso. Barroso mostrou interesse em deixar o criminoso no Brasil. A Chancelaria da Itália pediu gentilmente que o Brasil analise o caso de Battisti com grande atenção. O país europeu demonstra sofrimento com acontecimentos envolvendo crimes do italiano.

Devido um decreto de 2010, editado por Lula [VIDEO], o terrorista conseguiu ficar em paz no Brasil. O Supremo Tribunal Federal estuda se há possibilidade de Temer revogar a decisão.