Diante as novas perspectivas apresentadas, Michel Temer está disposto a concorrer nessas eleições que ocorrerão em outubro deste ano. A princípio, Temer não iria concorrer, porém indicativos aliviam parte das dúvidas que se sucederam quando o presidente substitui a então presidente eleita pelo povo, Dilma Rousseff.

A diminuição dos índices de desemprego, aliado aos segmentos da indústria, comércio e principalmente bons indicativos da pecuária e da agricultura proporcionaram essa mudança repentina.

Aliados assumindo outras posturas

Essa motivação de concorrer à presidência pressupõe o desejo de seu aliado, Rodrigo Maia, querer mudanças para o Brasil, por isso esse afrontamento promete acirrar ainda mais na disputa presidencial.

O embate com o Lula também proporciona a Temer [VIDEO] uma maior segurança para esta disputa, pois foi convencido para que sua carreira não seja desbancada de tal forma que o seu nome não seja colocado de forma inadequada, principalmente por partidos de esquerda que não apoiam seu governo.

Sua reputação vale mais

A ideia de Temer é defender o que se construiu em toda sua carreira política, por isso essa mudança se passa justamente pelas consideradas ‘raposas velhas’, como Ciro Gomes, Luiz Inácio Lula da Silva, Álvaro Dias e o candidato que mais tem se apresentado nas redes sociais gerando conflitos interessantes para o atual momento político em que o Brasil se passa, como Jair Bolsonaro.

Michel Temer conta a seu favor além dos indicadores positivos, o fato de conseguir uma reforma trabalhista que atenda aos pré-requisitos para a maior parte da população, desburocratizando uma reforma enxuta para os padrões brasileiros além da queda de juros e a própria inflação que está em níveis baixos.

O presidente se orgulha pelas conquistas realizadas até o momento, por isso segundo ele é vital concorrer para a próxima eleição, pois o embate seria considerado mais justo e o legado a partir do contexto já realizado mostra uma recuperação que desvia dos problemas sociais e dos partidos de esquerda.

A impopularidade, segundo ele, não assusta, por isso, aceitar novamente este desafio de melhorar a sua popularidade com as demais massas que compõem o Brasil. Para alcançar tal fato, Michel Temer [VIDEO] pretende atender mais o eleitor e, consequentemente, passar a ideia de segurança, bem como uma sustentação plausível que atenda todas as desigualdades que ainda persistem em seu governo.