Diante as novas perspectivas apresentadas, Michel Temer está disposto a concorrer nessas eleições que ocorrerão em outubro deste ano. A princípio, Temer não iria concorrer, porém indicativos aliviam parte das dúvidas que se sucederam quando o presidente substitui a então presidente eleita pelo povo, Dilma Rousseff.

A diminuição dos índices de desemprego, aliado aos segmentos da indústria, comércio e principalmente bons indicativos da pecuária e da agricultura proporcionaram essa mudança repentina.

Aliados assumindo outras posturas

Essa motivação de concorrer à presidência pressupõe o desejo de seu aliado, Rodrigo Maia, querer mudanças para o Brasil, por isso esse afrontamento promete acirrar ainda mais na disputa presidencial. O embate com o Lula também proporciona a Temer uma maior segurança para esta disputa, pois foi convencido para que sua carreira não seja desbancada de tal forma que o seu nome não seja colocado de forma inadequada, principalmente por partidos de esquerda que não apoiam seu governo.

Sua reputação vale mais

A ideia de Temer é defender o que se construiu em toda sua carreira política, por isso essa mudança se passa justamente pelas consideradas ‘raposas velhas’, como Ciro Gomes, Luiz Inácio Lula da Silva, Álvaro Dias e o candidato que mais tem se apresentado nas redes sociais gerando conflitos interessantes para o atual momento político em que o Brasil se passa, como Jair Bolsonaro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer

Michel Temer conta a seu favor além dos indicadores positivos, o fato de conseguir uma reforma trabalhista que atenda aos pré-requisitos para a maior parte da população, desburocratizando uma reforma enxuta para os padrões brasileiros além da queda de juros e a própria inflação que está em níveis baixos.

O presidente se orgulha pelas conquistas realizadas até o momento, por isso segundo ele é vital concorrer para a próxima eleição, pois o embate seria considerado mais justo e o legado a partir do contexto já realizado mostra uma recuperação que desvia dos problemas sociais e dos partidos de esquerda.

A impopularidade, segundo ele, não assusta, por isso, aceitar novamente este desafio de melhorar a sua popularidade com as demais massas que compõem o Brasil. Para alcançar tal fato, Michel Temer pretende atender mais o eleitor e, consequentemente, passar a ideia de segurança, bem como uma sustentação plausível que atenda todas as desigualdades que ainda persistem em seu governo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo