Em busca de apoio da comunidade internacional a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, que se encontra preso em Curitiba já há duas semanas, a atual presidente do Partido dos Trabalhadores (PT [VIDEO]), a senadora Gleisi Hoffmann, gravou um vídeo destinado à rede de televisão Al Jazeera pedindo apoio pela liberdade do líder da esquerda brasileira.

Gleisi, é válido lembrar, tem sido uma das grandes defensoras de Lula neste momento complicado na vida do ex-presidente. Além de já ter manifestado o desejo de visitá-lo pessoalmente na cadeia da Polícia Federal em Curitiba, a senadora tem constantemente motivado a militância petista a seguir apoiando e fazendo resistência ao que chama de "injustiça política".

Na gravação, a petista faz um apelo até em cima das questões geográficas e de um suposto sentimento favorável que Lula teria aos árabes. Ela diz que ele foi o único presidente brasileiro a se preocupar em fazer uma visita ao Oriente Médio no exercício do mandato.

"O objetivo por trás desta recente prisão é impedir que Lula [VIDEO] possa se candidatar à presidência nas eleições brasileiras neste ano. Por isso, convido a todos e a todas para participarem dessa campanha em busca da libertação", diz Gleisi em um trecho da filmagem.

"Lula sempre foi um grande amigo do mundo árabe. No governo comandado por ele, o comércio brasileiro com ele se multiplicou por cinco. Em toda a história, o Brasil sempre recebeu muitos árabes e palestinos. Lula foi o único presidente que visitou a região de vocês", acrescentou à mais influente emissora do mundo árabe.

Em outro trecho de sua fala aos árabes, Gleisi fez muitas críticas à postura da TV Globo, maior emissora de televisão do país, a quem acusou de ser "cúmplice" na recente prisão de Lula.

"Contra o ex-presidente não recai nenhuma prova daquilo que é acusado. São apenas falsas acusações. A Globo domina a imprensa brasileira e não quer que Lula esteja em liberdade. Ela fez uma campanha repleta de mentiras contra Lula. Eles pressionam o Judiciário a não conceder a liberdade, muito embora ela esteja prevista pela Constituição Federal", disparou a senadora.

Por fim, ela entende que a detenção de Lula nada mais é do que a "continuidade" do "golpe" realizado em 2016, quando a ex-presidente Dilma Rousseff foi destituída do cargo por meio de um longo e arrastado processo de impeachment. "Ela não cometeu nenhum tipo de crime, assim como o ex-presidente", avaliou.

Declarações aos árabes repercutem no Brasil

A fala de Gleisi Hoffmann endereçada à rede Al Jazeera causou enorme polêmica entre os brasileiros, inclusive no próprio Senado Federal.

A senadora do PP do Rio Grande do Sul, Ana Amélia Lemos, se disse "surpreendida" depois de ver o vídeo e considerou a postura da petista uma "afronta à democracia brasileira", "aos direitos constitucionais" e "às instituições brasileiras", como o Judiciário, o Ministério Público e a própria imprensa.

Irritada com a argumentação de Ana Amélia, Gleisi foi à tribuna do Senado e rebateu, acusando-a inclusive de "xenofobia" e garantindo que o mesmo discurso que deu à Al Jazeera foi dado para outras emissoras internacionais de países como Espanha, França e Inglaterra.

No Twitter, o debate também foi grande a partir da divulgação do vídeo feito pela presidente do PT, de modo que a hashtag #GleisiTerrorista se tornou uma das mais comentadas durante a noite desta quarta-feira. Lula segue preso na Polícia Federal de Curitiba por conta de sua condenação de 12 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro a partir de investigações da Operação Lava-Jato.