Em uma esclarecedora entrevista à Rádio Bandeirantes nesta quarta-feira, o ex-governador tucano de São Paulo e pré-candidato à presidência da República em 2018, Geraldo Alckmin, falou abertamente sobre a situação do seu companheiro de partido, Aécio Neves, que virou réu no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça por corrupção e obstrução de Justiça.

Alckmin [VIDEO] lamentou todo o desfecho do caso, mas bateu na tecla de que "a justiça é para todos". E, por outro lado, avaliou que o melhor cenário nesse momento é que Aécio não seja candidato para nada no pleito que se avizinha no segundo semestre.

"O Aécio já sabe o que eu penso.

Acredito que o ideal é que ele não seja candidato. E acho até que é isso que ele pensa, já que ele se afastou da presidência quando surgiu a denúncia. Vamos esperar a posição dele. Creio que vai se dedicar ao processo e à defesa", avaliou.

Em uma eventual comparação com Lula, Alckmin refutou completamente a possibilidade de haver semelhança. Para ele, Lula é "o grande imperador do PT [VIDEO], tido como injustiçado e perseguido", enquanto o PSDB "cumpre as decisões judiciais e afasta do partido". Assim como em 2006, Geraldo Alckmin tentará o pleito presidencial neste ano de 2018.