A prisão do ex-presidente Lula que aconteceu neste último sábado (7) deixou muitas pessoas revoltadas, que passaram a usar as redes sociais para se manifestarem em defesa do mesmo, sob a alegação de que o decreto do juiz federal Sérgio Moro, seria algo completamente irregular e que o ex-presidente teria sido injustiçado, preso sem provas que pudessem incriminá-lo. Alguns eleitores do petista ainda argumentam sobre o porquê da prisão de Lula, se existem outros políticos que ainda não foram penalizados, a exemplo do senador Aécio Neves e também do presidente da República, Michel Temer [VIDEO].

Diante de tantos manifestos, a notícia de que muitos esperavam acabou saindo em respeito ao senador Aécio.

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) poderá decidir o futuro do parlamentar já nesta próxima terça-feira (17), onde decidirá se recebe a denúncia contra o senador do PSDB-MG, que pode ser colocado como réu em corrupção e obstrução de Justiça [VIDEO].

Essa decisão ficará sob a manifestação dos ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello (relator) e Rosa Weber. Caso a maioria aceite a denúncia, o senador já passará a responder ao processo penal como réu e terá a chance de contestar a acusação apresentando novas provas. Vale ressaltar que somente após o final da ação é que os ministros poderão definir se consideram Aécio culpado ou inocente.

O senador foi acusado em junho de 2017, após uma denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República, onde afirma que o político teria pedido propina ao empresário Joesley Batista, proprietário da J&F, no valor de R$ 2 milhões.

Além da propina, o senador ainda foi acusado de tentar atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. Quando a denúncia foi apresentada, o senador logo se manifestou negando as acusações e logo afirmou que estava sendo vítima de uma “armação”.

Já nesta terça-feira (10), um advogado do senador também divulgou uma nota, dizendo que o parlamentar é inocente e que tudo não passa de uma situação forjada, planejada por criminosos confessos. A nota ainda dizia que não existe qualquer crime de ilegalidade no comportamento de Aécio. Além do senador, também estão inclusos na denúncia, a irmã, um primo e também um ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrela.

Segundo a investigação, o dinheiro que supostamente teria ido para a mão dos envolvidos era vindo através de propina e tinha como destino, beneficiar todo o grupo em troca de favores no meio político. A defesa dos acusados já se manifestou e todas alegam que o dinheiro era apenas para despesas com advogados.