O deputado federal Jair Messias bolsonaro é um dos pré-candidatos à Presidência da República, neste ano. Por esse motivo, vem sendo muito acompanhado pela oposição, pois qualquer erro do parlamentar pode ser motivo para tirar o mesmo das eleições de 2018.

As eleições presidenciais de 2018 prometem ser muito concorridas, pelo fato de ter muitos pré-candidatos de opiniões adversas. Como hoje existe Flávio Rocha representando o liberalismo, Bolsonaro o conservadorismo, Marina Silva a preservação da natureza, Ciro Gomes representando a ideia econômica da esquerda e também tem Manuella D'Ávila que representa a nova esquerda. Alguns nomes ainda podem surgir, para se juntar aos que já estão com candidatura garantida.

Lula é quem liderava as pesquisas de intenção de voto deste ano, mas acabou sendo condenado em segunda instância e preso. Agora, há uma chance mínima dele conseguir concorrer à cadeira de presidente da República, já que foi preso e a Lei da Ficha Lima não permite que condenados em segunda instância se candidatem.

Bolsonaro fora das eleições?

O deputado federal Jair Bolsonaro é conhecido e ganhou muito público por sempre apresentar opiniões muitos fortes na mídia brasileira. Com isso, ganhou muitos fãs e também muitos odiadores de seu trabalho, que enxergam o parlamentar com péssimos olhos para assumir o cargo de presidente da República.

Em um evento em que o Bolsonaro fez uma palestra, ele deu sua polêmica opinião sobre terras indígenas e ofendeu alguns índios e quilombolas, afirmando que têm alguns que não servem para nada, apenas ocupam terras que podem render muito ao Brasil.

Em baixo de terras indígenas tem muito o que explorar, segundo o pré-candidato Jair Messias Bolsonaro.

Processo!

A Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, abriu um inquérito contra o deputado o acusando de racismo contra indígenas e quilombolas. A procuradora pede cerca de R$ 400 mil por danos morais, fora o cumprimento da pena. A pena para racismo é inafiançável, portanto, se for condenado, Bolsonaro terá que ser preso.

O deputado se defende afirmando que isso é totalmente uma perseguição política, já que, sem Lula, ele é o favorito para assumir a presidência da República [VIDEO].

O deputado se diz bem tranquilo quanto a isso e afirma que somente deu sua opinião sobre as terras indígenas, que ele afirma que devem ser exploradas pelo governo brasileiro, já que podem render muito [VIDEO].