Enquanto o Partido dos Trabalhadores (PT) continua firme em sua ideia de que manterá a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, - preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba desde o último sábado, dia 7 - o ex-governador do Ceará e ex-ministro de Lula, Ciro Gomes [VIDEO] (PDT), segue firme em sua pré-campanha à presidência.

Ao mesmo tempo em que tenta viabilizar seu nome como consenso entre o eleitorado de centro-esquerda, Ciro aposta na instabilidade vivida pelo PT desde a queda da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, para trazer o partido para o seu lado nas eleições de outubro deste ano.

Ciro enfrenta críticas por ter atacado o PT em diversas oportunidades de 2016 para cá. O ex-aliado de Lula teria tentado se distanciar do partido para não perder votos do eleitorado anti-petista, mas defendeu Lula no recente caso que o levou à prisão. Enquanto isso, o PT diverge sobre apoiar ou não o pré-candidato. As informações são da jornalista Mônica Bergamo.

Apesar de reconhecer as chances de Ciro como alternativa viável à nomes de centro-direita e direita como Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro [VIDEO] (PSC), o partido ainda busca viabilizar um nome próprio para a disputa eleitoral. Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad é visto como alternativa se a candidatura de Lula for mesmo rejeitada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Outros candidatos de esquerda, como Manuela D’Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL), se aproximaram de Lula antes de sua prisão pela PF, angariando a simpatia de parte da cúpula petista, mas os nomes ainda não decolaram nas pesquisas de intenção de voto.

Além de Lula, cuja candidatura parece cada vez mais improvável do ponto de vista legal, Ciro e Marina Silva (REDE) permanecem como os candidatos de centro-esquerda com maior viabilidade eleitoral. Marina, no entanto, enfrenta resistência quase total dos petistas, o que pode acabar empurrando o partido a apoiar Ciro caso uma nova candidatura própria não seja costurada a tempo da corrida presidencial.