O procurador da República e coordenador da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, escreveu um artigo para o portal ''Uol'' com uma clara mensagem aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Conforme a Corte julgará o habeas corpus do ex-presidente Lula no próximo dia 4, o procurador desabafou sobre a atitude dos ministros e elevou a tensão sobre o julgamento.

De início, Deltan deixou claro que se o Supremo Tribunal mudar o entendimento sobre prisões após condenação em segunda instância, não será só Lula que irá se safar da cadeia. Muitos outros condenados, por diversos crimes, como pedofilia, crimes financeiros, homicídios e corrupção se manterão longe da cadeia.

O procurador afirmou que no Brasil a Justiça apresenta inúmeros recursos para que os acusados recorram, facilitando o caminho para a impunidade.

Dallagnol citou como exemplo o ex-senador Luiz Estevão, condenado por corrupção. Estevão recorreu 36 vezes e só foi preso após 17 anos, isso pelo fato do Supremo entender que condenado em segunda instância pode ir para a cadeia imediatamente. Outro político que demorou cerca de 9 anos para ser preso foi Carli Filho, condenado por homicídio. O ex-deputado recorreu 34 vezes na primeira instância. Ou seja, Deltan Dallagnol deixou claro que se o Supremo ''der pra trás' 'sobre as prisões em segunda instância simplesmente nenhum criminoso será condenado e ficará comprovado que, no Brasil, o crime compensa.

Em tom de desabafo, Deltan diz que está cansado da Justiça brasileira e que se Lula não for preso agora, o petista ainda terá muitas chances, podendo expandir seu tempo em liberdade durante mais alguns anos.

Além do mais, Deltan disse que se os ministros do Supremo mudarem o entendimento sobre prisão em segunda instância, o fim da Lava Jato [VIDEO] estará próximo. A questão é que as delações premiadas poderão acabar, os criminosos observarão que não será preciso fazer delação, pois a infinidade de recursos já basta para que eles se mantenham livres da cadeia, sem dedurar ninguém.

Grande manifestação

No próximo dia 3 de abril, ocorrerá uma grande manifestação mobilizada por diversos movimentos cívicos. O objetivo é pressionar o STF e garantir que Lula [VIDEO]cumpra pena pelos crimes que exerceu contra o sistema financeiro do Brasil. O ex-presidente foi condenado a 12 anos e um mês pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4° Região.