Na última sexta-feira (13), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o deputado federal Eduardo bolsonaro (PSL-SP) por ameaça de morte a Patrícia de Oliveira Souza Lélis. Segundo Patrícia, o deputado teria feito ameaças através do aplicativo Telegram contra sua vida.

Segundo a denúncia publicada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge,, contra o deputado Eduardo Bolsonaro, documentos com os prints da conversa entre os dois que foram apresentados pela vítima comprovam as ameaças feitas contra a jornalista.

Publicidade
Publicidade

Segundo as conversas além de ofensas, o deputado teria dito que a vítima merecia ter apanhado ainda mais para aprender a ficar calada e que ela se arrependeria de um dia ter nascido.

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Roberto Barroso, que é o relator do caso, a condenação de Eduardo Bolsonaro e uma indenização de 50 mil reais.

Em vídeo, Eduardo Bolsonaro se defende

O deputado Eduardo Bolsonaro fez um vídeo para se defender das acusações.

Publicidade

Segundo ele, se trata de uma verdadeira "montagem".

O deputado ainda desmentiu as falsas notícias que saíram na mídia informando que ele e Patrícia Lélis já tinham sido namorados. O parlamentar ressaltou que "nunca namorou, saiu, beijou ou mesmo segurou nas mãos dessa pessoa". E desabafou dizendo que tudo não passa de uma armação.

Patrícia Lélis denunciada por calúnia

Em junho de 2016, Patrícia Lelís acusou o deputado federal Marco Feliciano de tentar abusar dela e agredi-la no apartamento que ele mora na capital federal, mas as imagens de vídeo da câmera de segurança do Ministério do Trabalho comprovaram que no momento da agressão relatada por Patrícia Lélis o deputado esta em reunião em outro ponto da cidade.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Em setembro de 2016, o Ministério Público de São Paulo acusou Patrícia de denunciação caluniosa e extorsão contra o assessor do deputado, Talma Bauer, que segundo ela teria oferecido dinheiro para ela ficar calada, mas Patrícia nunca conseguiu provar essa versão.

Segundo a 1ª Promotoria Criminal, a jornalista teria mentindo em depoimento quando disse ter sido sequestrada e mantida em cárcere privado por ordem do deputado num hotel de São Paulo. Após a acusação feita por Lélis, Bauer foi preso mas logo depois foi liberado.

Mitomaníaca

Um laudo apresentado pela Polícia Civil apontou que Patrícia Lelis, é “mitomaníaca”. A jornalista apresenta sintomas de um transtorno de personalidade que a faz mentir compulsivamente. Luiz Roberto Hellmeister, delegado responsável pelo 3º Distrito Policial (DP), confirmou que a jornalista é uma “mentirosa compulsiva”.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo