Desde o final do ano passado, a Procuradoria Geral da República, comandada por Raquel Dodge, enfatiza a importância das prisões após condenação em segunda instância. Dodge deixou claro que é contra a mudança do entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), estabelecido em meados de 2016.

Logo após o julgamento do recurso do habeas corpus de Lula no Supremo, Dodge se manifestou [VIDEO]mostrando que é contra a impunidade. A posição da procuradora poderia ter soado como um recado ao juiz federal Sergio Moro, que em seguida determinou a prisão ao ex-presidente da República.

Raquel Dodge [VIDEO]avaliou que o país tem ''sede de Justiça'' e que as decisões judiciais devem ser feitas dentro da Lei para não ensejar ''vingança'' e nem ''impunidade''.

As falas da procuradora foram emitidas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República, no mesmo dia Sergio Moro determinou a ordem de prisão a Lula.

Um outro ponto, levantado por Dodge, é que a Justiça deve assegurar a proteção as vítimas e tardar suas decisões, significaria uma grande falha que prevalecerá sobre a sociedade.

A Suprema Corte determinou por 6 x 5 a negativa do habeas corpus que poderia salvar Lula da cadeia. Os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Morais, Luiz Fux, Rosa Weber e a presidente da Corte Cármen Lúcia avaliaram que Lula não tem direito ao habeas corpus. Os ministros contrários mostraram insatisfação com o resultado final da votação.

Sergio Moro toma forte decisão

No final da tarde desta última quinta-feira (5), Sergio Moro decretou a prisão do ex-presidente Lula.

O juiz federal enfatizou que o petista deverá comparecer até a delegacia da Polícia Federal de Curitiba/PR com prazo estipulado, não ultrapassando as 17h desta sexta-feira (6). Moro deixou claro que não utilizarão algemas, e que Lula terá um lugar reservado na PF devido ao alto cargo que ocupou no governo.

A prisão de Lula mobiliza a sociedade. Petistas choram e clamam para que Lula não seja levado. Por outro lado, movimentos cívicos contra a corrupção estão aguardando ansiosamente a prisão do petista.

Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4° Região pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O petista se tornou réu em várias ações penais devido as investigações da Operação Lava Jato. O Partido dos Trabalhadores perdeu a credibilidade desde o início da Lava Jato, após diversas descobertas de crimes ligados ao governo petista.