O general da brigada Paulo Chagas se mostrou indignado com um vídeo em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, defende a prisão em segunda instância, numa época passada. Para o general, o ministro, hoje, é esse entendimento porque seus companheiros petistas estão todos encrencados. Chagas falou que é revoltante o cinismo do ministro. Ele postou o vídeo em seu perfil no Facebook.

No vídeo, Toffoli é questionado por uma jornalista sobre o que achava sobre o posicionamento do STF em relação à prisão após sentença em segunda instância.

O ministro comentou que sempre teve o pensamento de que não era necessário aguardar um recurso especial junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e nenhum extraordinário no STF para punir um criminoso. Na entrevista, ele ainda lembrou que chegou a levar esse tema ao Plenário do Supremo num caso relativo a Luiz Estevão, que foi condenado e já estava com mais de 26 recursos só no STJ.

Segundo Toffoli, ele agiu para que não houvesse a chance de Estevão ficar solto, diante do artifício de inúmeros e inúmeros recursos que um condenado tem para escapar da Justiça.

Porém, a cabeça de Toffoli mudou drasticamente. Hoje, ele é um dos ministros da Corte que tenta a todo instante mudar o entendimento do STF sobre a prisão após condenação em segunda instância.

O general trouxe este vídeo para tentar "desmascarar" as intenções do ministro para proteger os seus amigos petistas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Vale ressaltar que, Toffoli trabalhou no Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e teria uma gratidão muito grande por Lula tê-lo colocado no STF.

Veja o vídeo da entrevista do ministro:

A entrevista foi concedida há dois anos atrás pelo ministro à repórter Luiza Muzzi do Portal O Tempo.

Foro privilegiado

Após pedir vista, no ano passado, sobre a restrição do foro privilegiado, o ministro Dias Toffoli devolveu para a pauta da Corte a ação que discute o fim do foro especial.

A interrupção do julgamento pelo ministro causou uma forte reação da sociedade e da Lava Jato. O juiz Sérgio Moro chegou a dar discursos dizendo da importância de dar um fim no foro privilegiado para que haja um combate mais firme contra a corrupção.

A presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, colocou o assunto para ser votado no dia 02 de maio.

Moro

Para o juiz da Lava Jato, o foro privilegiado é um "escudo" que protege corruptos de irem para a cadeia.

Ele defende uma emenda constitucional que acabe com o foro especial de todas as categorias, inclusive, dos magistrados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo