O general da brigada Paulo Chagas se mostrou indignado com um vídeo em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, defende a prisão em segunda instância, numa época passada. Para o general, o ministro, hoje, é esse entendimento porque seus companheiros petistas estão todos encrencados. Chagas falou que é revoltante o cinismo do ministro. Ele postou o vídeo em seu perfil no Facebook [VIDEO].

No vídeo, Toffoli é questionado por uma jornalista sobre o que achava sobre o posicionamento do STF em relação à prisão após sentença em segunda instância.

O ministro comentou que sempre teve o pensamento de que não era necessário aguardar um recurso especial junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e nenhum extraordinário no STF para punir um criminoso.

Na entrevista, ele ainda lembrou que chegou a levar esse tema ao Plenário do Supremo num caso relativo a Luiz Estevão, que foi condenado e já estava com mais de 26 recursos só no STJ. Segundo Toffoli, ele agiu para que não houvesse a chance de Estevão ficar solto, diante do artifício de inúmeros e inúmeros recursos que um condenado tem para escapar da Justiça.

Porém, a cabeça de Toffoli mudou drasticamente. Hoje, ele é um dos ministros da Corte que tenta a todo instante mudar o entendimento do STF sobre a prisão após condenação em segunda instância.

O general trouxe este vídeo para tentar "desmascarar" as intenções do ministro para proteger os seus amigos petistas. Vale ressaltar que, Toffoli trabalhou no Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e teria uma gratidão muito grande por Lula tê-lo colocado no STF.

Veja o vídeo da entrevista do ministro:

A entrevista foi concedida há dois anos atrás pelo ministro à repórter Luiza Muzzi do Portal O Tempo.

Foro privilegiado

Após pedir vista, no ano passado, sobre a restrição do foro privilegiado, o ministro Dias Toffoli devolveu para a pauta da Corte a ação que discute o fim do foro especial. A interrupção do julgamento pelo ministro causou uma forte reação da sociedade e da Lava Jato. O juiz Sérgio Moro chegou a dar discursos dizendo da importância de dar um fim no foro privilegiado para que haja um combate mais firme contra a corrupção.

A presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia [VIDEO], colocou o assunto para ser votado no dia 02 de maio.

Moro

Para o juiz da Lava Jato, o foro privilegiado é um "escudo" que protege corruptos de irem para a cadeia. Ele defende uma emenda constitucional que acabe com o foro especial de todas as categorias, inclusive, dos magistrados.