Na manhã deste sábado (28/4), a atual presidente do Partido dos Trabalhadores, a senadora Gleisi Hoffamann (PT-PR), tomou uma atitude um tanto inusitada. Em uma postagem nas redes sociais, a parlamentar comentou sobre o incidente violento ocorrido nessa madrugada, ou seja, os tiros os quais foram disparados em dois aliados petistas, que estavam acampados de fronte a sede da superintendência da Polícia Federal (PF).

O protesto reivindica a liberdade do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Gleisi condenou o episódio e acusou de forma clara e precisa os condutores da Operação Lava Jato, pelo atentado ocorrido.

A senadora utilizou o termo "atentado fascista", conforme publicação da revista Exame. Na gravação, foi possível constatar a irritação da líder petista ao alegar que a violência é resultado da perseguição que o ex-presidente vem sofrendo.

Lula encontra-se preso, cumprindo pena de dose anos e um mês, na sede da Polícia Federal, de Curitiba, no Paraná desde o dia 7.

Hoffmann condenou a atuação do juiz federal, Sérgio Moro e dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato, argumentando que a situação atual, não condiz com a realidade, pois Lula é inocente e o incidente sinalizou a fúria e o ódio alcançados pelo povo em decorrência da prisão do ex-presidente.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Lula

Além de perseguirem Lula, a parlamentar afirmou ainda que o PT e movimentos da esquerda,tão no mesmo também são vítimas de acusações estabelecidas pela Lava Jato.

Gleisi comunicou que está em viagem para o Chile, pois foi convidada para participar de uma reunião com a presença de vários apoiadores, dentre eles, está a ex-presidente, do país Michele Bachelet. A senadora pretende tornar público os atentados.

Na verdade, a presidente do PT comentou que o evento servirá para ela fazer uma "denúncia internacional", expondo a situação caótica em que o Partido dos Trabalhadores foi submetido nos últimos meses, esclareceu a reportagem.

Também nessa manhã do diretório da Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores, resolveu publicar nota de repúdio aos tiros desferidos contra os aliados petistas que encontram-se em vigília, aguardando pela saída de Lula da prisão. A Comissão fez questão de noticiar que esta, não foi a primeira vez que foram atacados.

Classificaram os disparos como violência política contra a democracia do país.

Coincidência ou não, um outro ataque contra um ônibus do PT que transportava uma caravana do movimento Pró-Lula que viajavam para o interior paranaense, ocorreu no mês passado. Os disparos de projéteis foram comunicados as autoridades competentes, através de Boletim de Ocorrência (BO). Felizmente ninguém ficou ferido, a polícia investiga o caso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo