A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta terça-feira (24), que trechos de delações dos executivos da Odebrecht referentes ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fossem retirados das mãos do juiz federal Sérgio Moro. Votaram a favor do pedido dos advogados de Lula os seguintes ministros: Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes. Foram vencidos na votação: Celso de Mello e Edson Fachin.

Conforme decisão da Segunda Turma da Corte, todos os depoimentos que envolvem o sítio de Atibaia e aquisição de um terreno para o Instituto Lula fornecido pela Odebrecht serão enviados à Justiça Federal em São Paulo. As investigações no Paraná acabaram sendo enfraquecidas.

Um outro trecho dos depoimentos dos executivos que envolvem fraudes na refinaria Abreu e Lima ficarão por conta da Justiça Federal de Pernambuco.

Sérgio Moro foi proibido de usar essas delações para servir de fundamento nas suas próximas sentenças. Para a força-tarefa de Curitiba, esse foi um golpe sofrido e que pode acarretar enfraquecimento nas investigações.

Porém, o magistrado da Lava Jato continuará com as ações penais abertas e apurará todo o conteúdo dos depoimentos.

Fatos não explicados

Conforme informações do site "O Antagonista", o processo estava em um ponto adiantado e Sérgio Moro estaria a um passo de proferir a sua sentença.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro

A ação da Segunda Turma do STF conseguiu neutralizar os andamentos da Justiça Federal de Curitiba e isso pode ser um grande benefício para Lula.

Algumas coisas ficaram mal explicadas, segundo "O Antagonista". Se todo o dinheiro das reformas do sítio de Atibaia foram repasses de propina da construtora Odebrecht para o PT quando esta firmou contratos fraudulentos com a Petrobras, como os três ministros da Corte podem dizer que todo esse processo não tem nada a ver com a Lava Jato?, pergunta o site.

Cofres públicos defasados

Os cofres púbicos sofreram uma grande devastação por toda a corrupção que se alastrou em contratos de empreiteiras com a Petrobras e o PT estaria envolvido nesses atos ilícitos, conforme os depoimentos dos executivos.

Segundo informações, o patriarca da Odebrecht teria dado R$ 300 milhões em propina em um pacto com o ex-presidente Lula.

Ministros da Corte estariam agora tentando frustrar os projetos da Lava Jato.

Proibir Sérgio Moro de continuar firme nas investigações foi a solução encontrada por eles para tentar "parar" a Lava Jato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo