A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta terça-feira (24), que trechos de delações dos executivos da Odebrecht referentes ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fossem retirados das mãos do juiz federal Sérgio Moro. Votaram a favor do pedido dos advogados de Lula os seguintes ministros: Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes. Foram vencidos na votação: Celso de Mello e Edson Fachin.

Conforme decisão da Segunda Turma da Corte, todos os depoimentos que envolvem o sítio de Atibaia e aquisição de um terreno para o Instituto Lula fornecido pela Odebrecht serão enviados à Justiça Federal em São Paulo.

Publicidade
Publicidade

As investigações no Paraná acabaram sendo enfraquecidas.

Um outro trecho dos depoimentos dos executivos que envolvem fraudes na refinaria Abreu e Lima ficarão por conta da Justiça Federal de Pernambuco.

Sérgio Moro foi proibido de usar essas delações para servir de fundamento nas suas próximas sentenças. Para a força-tarefa de Curitiba, esse foi um golpe sofrido e que pode acarretar enfraquecimento nas investigações.

Porém, o magistrado da Lava Jato continuará com as ações penais abertas e apurará todo o conteúdo dos depoimentos.

Publicidade

Fatos não explicados

Conforme informações do site "O Antagonista", o processo estava em um ponto adiantado e Sérgio Moro estaria a um passo de proferir a sua sentença. A ação da Segunda Turma do STF conseguiu neutralizar os andamentos da Justiça Federal de Curitiba e isso pode ser um grande benefício para Lula.

Algumas coisas ficaram mal explicadas, segundo "O Antagonista". Se todo o dinheiro das reformas do sítio de Atibaia foram repasses de propina da construtora Odebrecht para o PT quando esta firmou contratos fraudulentos com a Petrobras, como os três ministros da Corte podem dizer que todo esse processo não tem nada a ver com a Lava Jato?, pergunta o site.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro

Cofres públicos defasados

Os cofres púbicos sofreram uma grande devastação por toda a corrupção que se alastrou em contratos de empreiteiras com a Petrobras e o PT estaria envolvido nesses atos ilícitos, conforme os depoimentos dos executivos.

Segundo informações, o patriarca da Odebrecht teria dado R$ 300 milhões em propina em um pacto com o ex-presidente Lula.

Ministros da Corte estariam agora tentando frustrar os projetos da Lava Jato. Proibir Sérgio Moro de continuar firme nas investigações foi a solução encontrada por eles para tentar "parar" a Lava Jato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo