Na tarde dessa terça-feira (10), a Justiça Federal determinou o bloqueio dos bens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de Paulo Okamotto (presidente do Instituto Lula), da L.I.L.I.S. e do próprio Instituto Lula. Somados, os bens ultrapassam a marca de milhões de reais. A ordem foi expedida pela 1ª Vara de Execuções Fiscais localizada em São Paulo e visa trazer a garantia de que o pagamento de dívidas fiscais envolvendo o ex-presidente e seus companheiros sejam ressarcidas.

Lula é acusado de falta de pagamento de tributos junto ao governo federal com relação à pessoa física, sua empresa e o instituto [VIDEO].

Segundo a Junta Comercial de São Paulo, o ex-presidente deixou de pagar dívidas fiscais que chegam ao montante de 15 milhões de reais. Já com relação ao presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o valor ultrapassa a marca de 14 milhões de reais de dívidas fiscais. [VIDEO]

Em nota, Okamotto e o Instituto Lula alegam que tais bloqueios são injustos e visam somente deixar o ex-presidente e os seus companheiros cada vez mais financeiramente incapacitados e debilitados. Ele explicou que, com essa medida, a Lava Jato deixa a defesa de Lula enfraquecida. O principal nome do PT continua na luta pela liberdade imediata, porque Lula ainda pretende concorrer às eleições do segundo semestre deste ano. [VIDEO]

“Guerra jurídica contra Lula com fins políticos”, dizem o Instituto Lula e Paulo Okamotto.

Eles explicam que vão recorrer contra mais essa decisão judicial que prejudica o ex-presidente, o instituto e o presidente da entidade. Também acreditam que a avaliação da Justiça Federal está errada, principalmente com relação ao pagamento de impostos que foram pagos, segundo Okamotto.

Lula tem mais outras acusações para se defender, não só a do tríplex

“A Lava Jato quer retirar do ex-presidente qualquer possibilidade de defesa”, comenta o principal nome da defesa de Lula, o advogado Cristiano Martins Zanin. A prisão do ex-presidente foi apenas em uma das ações que tramita na Justiça brasileira. Esse sentença é de 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex do Guarujá (SP). Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A Operação Lava Jato ainda continua investigando supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo o ex-presidente e a construtora Odebrecht, tráfico de influência e organização criminosa. Os crimes teriam sido cometido ainda quando Lula estava no cargo mais importante do País, o de presidente da República, onde ele supostamente tomou decisões em troca de favores.

Há denúncias ainda de corrupção passiva com relação à edição da Medida Provisória 471, de 2009, que beneficiou fabricantes de automóveis, obstrução de justiça e organização criminosa. Os casos serão julgados pelos juízes federais Sergio Moro e Vallisney de Souza Oliveira.