Nesta segunda-feira (23), a ex-presidente Dilma Rousseff, junto a uma comitiva formada pelos parlamentares: Gleisi Hoffmann, Roberto Requião, Lindbergh Faria, o ex-ministro Eduardo Lupi, o ex-senador Eduardo Suplicy dentre outros, foram impedidos de visitarem o então ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO]. O pedido foi negado nesta tarde pela 12ª Vara Federal, em Curitiba, no Paraná.

Ocorre que a ex-presidente e os políticos peticionaram junto a Justiça do Paraná um requerimento o qual propuseram uma visita ao ex-presidente Lula, nesta segunda-feira, todavia, após análise da petição, o juiz responsável pela Vara de Execução Penal (VEP) negou o pedido, proibindo o acesso ao petista.

Bastante irritada, Dilma questionou que não estava entendendo o motivo pelo qual o impediram de conversarem com o líder petista.

A ex-chefe do Executivo lamentou afirmando que Lula, não está em um "regime de isolamento", entretanto, solicitou esclarecimentos das autoridades locais, uma vez que o condenado encontra-se em um momento de grande dificuldade e segundo ela, o "golpe" estava sendo dado, criticou Dilma sem compreender o posicionamento jurídico.

Lula está preso desde o dia 7 de abril [VIDEO], em uma sala estabelecida como 'especial', no núcleo de custódia da Polícia Federal (PF), na capital paranaense. O petista foi condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex, no Guarujá. As informações são de autoria do site de notícias "UOL".

O petista foi sentenciado a nove anos e seis meses de prisão [VIDEO], a princípio, em regime fechado, todavia, a defesa do ex-presidente achou por bem protocolar recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o qual decidiu pela manutenção da pena, aumentando assim, o período de reclusão para doze anos e um mês.

Ainda segundo a reportagem, por determinação do juiz federal, Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em primeira instância, até o momento, somente foi autorizada a visita de familiares e defensores do petista na sede da Superintendência da Polícia Federal. Desta feita, governadores de vários estados brasileiros, além do ganhador do prêmio Nobel da Paz, Adolfo Peréz, e o teólogo, Leonardo Boff, mesmo alegando grau de 'amizade' para com o ex-presidente, foram impedidos de visitá-lo pela Justiça.

No entanto, integrantes que participam junto a Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal, [VIDEO] tiveram autorização para vistoriar à 'sala especial' de Lula, na última semana e conversar com o petista. Até o momento, não foram detectados nenhuma irregularidade no espaço que Lula exerce o cumprimento de pena.