No fim da tarde desta quinta-feira (5), o juiz Sérgio Moro decretou a prisão [VIDEO] imediata do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A decisão foi tomada aproximadamente às 18 horas, depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) negou o pedido de habeas corpus preventivo do petista.

Sérgio Moro determinou que o ex-presidente se apresente até às 17h desta sexta-feira (6) à Superintendência da Polícia Federal no Paraná, em Curitiba. A repercussão do decreto de prisão de Lula ganhou as manchetes dos principais jornais do Brasil e do mundo.

O ex-presidente foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), pelos crimes de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex do Guarujá (SP).

No despacho da ordem de prisão [VIDEO], Sérgio Moro garantiu a Lula uma condução diferenciada da prisão caso ele se apresente espontaneamente. Segundo o juiz, tal decisão se deve ao cargo que ele ocupou. Assim, Lula não deverá ser algemado, ficará detido em uma cela especial, entre outras determinações.

Defesa de Lula

O advogado Cristiano Zanin Martins, um dos defensores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, divulgou nota dizendo que o mandado de prisão contra o petista, expedido nesta quinta-feira pelo juiz Sérgio Moro, "contraria" decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Em entrevista à rádio ‘BandNews’, José Roberto Batochio, que é um dos advogados de Lula, disse que acredita que o ex-presidente deve se apresentar à Polícia Federal conforme o decreto de prisão expedido por Sérgio Moro.

Atos em favor ao ex-presidente

A rapidez do decreto de prisão de Lula causou estranheza e muita polêmica, principalmente entre seus aliados. A cúpula do PT (Partido dos Trabalhadores) já havia marcado vários atos em favor ao ex-presidente em várias cidades do Brasil. A maior delas aconteceria na cidade de São José dos Campos, localizada no ABC Paulista, onde Lula estaria presente.

Eleições 2018

Depois de ser condenado em segunda instância, Lula estaria fora das eleições presidenciais, de acordo com os critérios da Lei da Ficha Limpa. Contudo, caso o ex-presidente apresente sua candidatura, a legalidade da mesma deverá ser julgada TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Apesar da eminente prisão do ex-presidente e da possibilidade da confirmação da ilegalidade da candidatura as eleições presidenciais de 2018, o Partido dos Trabalhadores afirma que não há outro candidato e nenhum tipo de plano B, ou seja, Lula continua como candidato à Presidência da República pelo PT.