O instituto Datafolha divulgou neste domingo (15) a primeira pesquisa sobre a intenção de voto para presidente da República após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO]. Até então, o petista [VIDEO] liderava todos os cenários em que aparecia. Divulgada pela "Folha de S. Paulo", a pesquisa foi feita com 4.194 eleitores entre 11 e 13 de abril, em 227 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

O primeiro cenário analisado foi com Lula candidato pelo PT e Henrique Meirelles pelo MDB:

Com essas opções, o ex-presidente Lula lidera, com 31% das intenções de voto, mais da metade do segundo lugar, o deputado Jair Bolsonaro, com 15% das intenções de voto.

Marina Silva tem 10%, Joaquim Barbosa, que ainda não lançou candidatura oficial, tem 8%. Geraldo Alckmin aparece com 6%, Ciro com 5% e Álvaro Dias com 3%. Henrique Meirelles aparece com apenas 1%.

O segundo cenário apresentado mostra também Lula candidato, mas o representante do MDB seria Michel Temer:

Lula continua na liderança com folga, 30%. Bolsonaro, Marina, Joaquim Barbosa, Alckmin, Ciro e Álvaro Dias repetem as mesmas porcentagens do primeiro cenário. Michel Temer aparece com apenas 1% das intenções de voto.

Em um terceiro cenário, em que o PT lança Fernando Haddad como candidato, deixando Lula fora da disputa, e com Henrique Meirelles no lugar de Temer:

O deputado extremista Jair Bolsonaro aparece com 17% das intenções de voto, sendo seguido de muito perto por Marina Silva, com 15% das intenções de voto.

Empatados em terceiro lugar estariam Joaquim Barbosa e Ciro Gomes, com 9%. Alckmin aparece com 7% e Álvaro Dias com 5%. O candidato petista, Fernando Haddad, aparece com apenas 2% das intenções de voto. Meirelles só tem 1% dos votos

No mesmo cenário anterior, com Temer disputando no lugar de Henrique Meirelles.

As porcentagens de Bolsonaro, Marina, Ciro, Joaquim Barbosa, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad se mantêm intactas. A única mudança é Álvaro Dias, que registraria 4%. Temer teria 2% das intenções de voto. No momento atual, esse é o cenário mais provável de acontecer, caso não haja grandes mudança:

Em um cenário muito difícil, caso o PT não lance candidatura própria:

Jair Bolsonaro registraria 17% das intenções de voto. Marina Silva marcaria 16%, com a marge de erro, poderia até estar à frente do deputado extremista. Joaquim Barbosa e Ciro estariam com 9% das intenções de voto. Geraldo Alckmin registraria 8% das intenções de voto. Álvaro Dias estaria com 4%.

Segundo Turno

Em um cenário de disputa entre Lula e Bolsonaro, o ex-presidente ganha com bastante vantagem: 48% a 31% contra o deputado.

19% disseram que votariam nulo ou branco. Apenas 1% disse não saber.

Em um segundo turno Lula contra Geraldo Alckmin, o petista ganha novamente, dessa vez com vantagem ainda maior. Lula teria 48% e o tucano 28%. 23% disse votar em branco ou nulo e 1% não soube opinar.

Em um hipotético segundo turno Lula x Marina, a vantagem de Lula é menor. O petista registra 46% das intenções de voto, enquanto Marina teria 32%. Brancos e nulos seriam 21%. Já 1% não soube opinar.

Em um cenário no segundo turno sem Lula, estando na disputa Marina Silva e Bolsonaro, a ex-senadora levaria larga vantagem. Marina aparece com 44% das intenções de voto nesse cenário. Já Bolsonaro permanece com 31%. 23% votariam branco ou nulo e 2% não sabem.

Em um segundo turno entre Marina e Alckmin, a representante da Rede também vence. Ela registra os mesmos 44% das intenções de voto. O tucano tem 27%. Outros 27% disseram votar branco ou nulo e 2% não sabem.

Em um segundo turno Ciro Gomes contra Bolsonaro, eles aparecem empatados. O ex-ministro registra 35%, enquanto Bolsonaro aparece com os mesmos 35%. 28% disseram votar branco ou nulo e 3% não sabem.