Neste domingo (15), o Instituto Datafolha divulgou mais uma pesquisa de intenção de votos para o governo do estado de São Paulo. O levantamento ouviu 1.954 eleitores de 56 cidades do estado, entre os dias 11 e 13 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Os resultados mostraram um surpreendente crescimento [VIDEO] do ex-prefeito de São Paulo.

O preferido da maioria dos paulistas entrevistados é o ex-prefeito da capital, João Doria (PSDB), que lidera os dois cenários proposto pela pesquisa. No primeiro deles, ele aparece com 29% da preferencia do eleitorado [VIDEO], contra 20% de Paulo Skaf, do MDB.

Atual governador, Márcio França (PSB), que assumiu no lugar de Geraldo Alckmin, é o terceiro colocado, com 8% das intenções de voto.

Em quarto, aparece Luiz Marinho, ex-prefeito de São Bernardo do Campo, do PT, com 7%. Rogério Chequer, do Partido Novo, está com 2% das intenções de voto, enquanto que Liste Arelaro (PSOL) e Alexandre Zeitune (REDE) são os preferidos de 1% dos eleitores ouvidos. Brancos e nulos somam 26%. Já 5% não souberam responder.

E se Skaf não concorrer?

Em um segundo cenário proposto pela pesquisa, em que o nome de Skaf não é colocado como opção, a vantagem de Doria é ainda maior, com o empresário pulando para 36% das intenções de votos. Já o índice que declararam que irão votar em bronco ou nulo também subiu, 32%. Ainda neste cenário, o atual governador subiu dois pontos, enquanto que o petista subiu de sete para oito pontos percentuais.

Restam seis meses para as eleições, e a pesquisa também revelou que 62% dos entrevistados dizem não saber em quem votar quando não é apresentada uma lista com os nomes dos candidatos.

Rejeição

Tanto Doria quanto Skaf também lideram a pesquisa quando o eleitor é questionado sobre em qual candidato não votaria de jeito nenhum. Nesse cenário, Skaf aparece na frente, com 34% de rejeição, enquanto que o ex-prefeito de São Paulo tem 33%. Um pouco atrás aparece Marinho, com 27% de rejeição.

Quando levado em conta apenas os eleitores da capital, a rejeição de Doria sobe para 49%. O fato dele ter deixado a prefeitura para concorrer a vaga no Palácio dos Bandeirantes pesou negativamente para Doria. No interior, seu índice de rejeição é de apenas 25%.

O levantamento também mostrou que Doria lidera entre os eleitores com maior poder aquisitivo, com 39%. Com os eleitores que ganham até dois salários mínimos por mês ele soma apenas 24% da preferência desses entrevistados.