Circula pelas redes sociais um vídeo em que o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, Milton Simas, impede e ainda ameaça um repórter da Rede Record nas proximidades do acampamento "Marisa Letícia", em Curitiba, que faz vigília e presta apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula [VIDEO], preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro desde o dia 7 de abril.

As imagens são claras e mostram Simas se aproximando do repórter com alegações do tipo: "Quer gravar? Então vai lá perto da polícia, aqui não". "Eu recomendo que tu saia daqui, até pela tua integridade física". Curiosamente, Simas representa uma entidade que deveria priorizar e garantir a liberdade de imprensa.

Ao ser rebatido pelo repórter, que alegou que "você nem sabe o que estou falando", Simas, que vestia uma camisa do Movimento dos Sem-Terra (MST), não demonstrou interesse e disse que "SBT, Band, Globo, Record, todas estão juntas no golpe [VIDEO]".

Em seguida, o vídeo mostra outros militantes petistas se aproximando por trás do repórter e deixando o jornalista completamente indefeso dentro da situação. A gravação está sendo imensamente repercutida e debatida nas redes sociais. Veja abaixo as ameaças: