Condenados que já chegaram a cumprir um tempo de sua pena e hoje são considerados ex-presos da Operação Lava Jato deram declarações fortes e revelaram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não suportará a solidão. Lula está isolado no último andar do prédio da Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, após decreto de prisão expedido pelo juiz federal Sérgio Moro. O ex-presidente foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Conforme informações da Folha de São Paulo, uma das pessoas que já esteve presa contou que a situação lá dentro não é fácil. Essa pessoa, que não foi identificada na reportagem, explicou que caiu em depressão e só conseguiu se reerguer quando conversava com os colegas de cela [VIDEO], que sempre comentavam de novelas e ofereciam chocolates.

Os presos também comentaram que ao ser preso, demora um pouco para entender tudo o que está acontecendo. A ficha cai só mais tarde. Segundo os condenados, a parte mais dura da prisão é quando se acha que vai sair logo e percebe-se que ainda terá muito tempo lá na cadeia.

Visitas

Nesta quinta-feira (19), o ex-presidente recebeu visitas de familiares. No grupo estavam dois filhos de Lula (Luís Cláudio e Sandro Luís), duas noras e um neto. Eles carregavam duas sacolas. Nenhum deles aceitou falar com a imprensa.

Na cela onde o petista cumpre pena, nos dias de visitas podem ficar apenas três pessoas com ele.

Lula também recebeu nesta semana a visita de vários senadores da Comissão dos Direitos Humanos que vistoriaram o local para saber se Lula estava sendo bem tratado. A grande preocupação deles foi com o isolamento do petista, que sempre estava rodeado de amigos.

Palocci e a negociação

Uma das grandes preocupações do PT tem sido a negociação sigilosa que o ex-ministro Antonio Palocci está mantendo com a PF. As informações do ex-amigo de Lula podem comprometer mais a vida dele.

Palocci viu seu pedido de habeas corpus ser negado no Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO] e quer a todo custo buscar uma chance de sair da cadeia. Segundo as informações, ele já teria avisado que entregaria clientes de sua empresa de consultoria que teriam repassado propina ao PT em troca de benefícios nos contratos com a Petrobras.

Nesta quinta, a Folha de São Paulo também afirmou que o acordo com a Justiça caminha bem e que, logo, o ex-ministro fará a sua delação. Porém, ele não poderá citar membros do Judiciário devido ao foro privilegiado que os beneficiam.