O procurador do Ministério Público Federal (MPF) Januário Paludo, considerado homem de confiança do juiz federal Sergio Moro, observou com estranheza o pedido da ex-presidente Dilma Rousseff a uma visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Superintendência da Polícia Federal [VIDEO]em Curitiba, Paraná.

O procurador regional se manifestou na Justiça, nesta segunda-feira, 23 de abril, contra a visita de Dilma a Lula. Paludo enfatizou que visita de familiares devem prevalecer perante as visitas de amigos próximos.

Em resposta ao pedido, a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal afirma que esta segunda-feira não seria o dia ideal de Dilma visitar Lula,.

isto só poderia acorrer apenas em um dia oficial de visitas. É permitido que apenas familiares mais próximos do petista o visitem. Os encontros acontecem sempre as quintas-feiras.

No último sábado, dia 21, Dilma enfatizou seu desejo em visitar o companheiro do PT na cela. Uma das justificativas da petista é que ambos mantem uma amizade ‘’pública e notória’’. Ela contou que há uma relação muito próxima entre eles desde 2002. Na petição, Dilma também cita que esta visita seja feita preferencialmente na segunda-feira, e não na quinta, dia de visita de familiares.

O MPF chegou a pedir a defesa de Lula que comente se o petista deseja a visita da ex-presidente. Os advogados afirmaram o desejo de Lula e disseram que o pedido deva ser aceito urgentemente. A juíza responsável por aceitar ou não a visita é Carolina Lebbos.

O MPF afirmou para a Justiça [VIDEO]que segunda-feira não é um dia comum de visitas. A juíza ainda não se manifestou sobre o caso.

Visita de deputados

Além da visita de Dilma, uma comissão de deputados pretende visitar Lula. No entanto, o procurador Januário Paludo também se manifestou contrário, enfatizando que esta seria uma visita inadequada no momento.

A comissão dos deputados que quer ver as condições de Lula na cadeia é composta por: Wadih Damous (PT-RJ), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), André Figueiredo (PDT-CE), Bebeto (PSB-BA), Ivan Valente (PSOL-SP), Paulo Teixeira (PT-SP), Paulo Pimenta (PT-RS), José Guimarães (PT-CE) e Weverton Rocha (PDT-MA).

O petista Paulo Pimenta, líder do partido na Câmara dos Deputados, afirmou que, se a Justiça impedir a visita dos deputados a Lula, isto seria um ‘’crime’’. A Comissão de Direitos Humanos composta por senadores foi até a Polícia Federal na última terça-feira (17) e enfatizou que o petista permanece bem na carceragem.