A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se manifestou ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre casos de Corrupção envolvendo o senador tucano Aécio Neves. Em um áudio gravado, político foi pego em flagrante com o empresário da empresa JBS, Joesley Batista. Aécio é acusado de pedir a quantia de R$ 2 milhões de propina e também de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato.

Raquel Dodge não deixou o caso do senador do PSDB de lado e na manifestação ao Supremo pede que o senador se torne réu por corrupção.

Publicidade
Publicidade

O pedido de Dodge poderá abrir uma grande investigação contra Aécio. Na próxima semana será discutido entre os ministros do STF se o tucano se tornará réu. O ministro Marco Aurélio Mello colocou em pauta a discussão do caso na Primeira Turma.

Dodge disse que Aécio se utilizou do cargo na política para atingir “objetivos espúrios” envolvendo crimes de corrução e obstrução de Justiça na Lava Jato através das delações premiadas feitas pelos executivos da JBS.

Publicidade

A denúncia da Procuradoria se iniciou com o ex-procurador-geral Rodrigo Janot. No ano passado, a irmã de Aécio Neves, Andrea Neves da Cunha, o primo do senador Frederico Pacheco de Medeiros e o ex-assessor Zezé Perrela foram denunciados.

Dodge explicou que a atitude de Aécio indica um forte comprometimento com atos ilícitos a fim de ''salvar'' seus colegas próximos e agindo de forma contrária a sua atividade de parlamentar. Ao que tudo indica, a Procuradoria seguirá firme contra Aécio e os outros denunciados. A surpresa de Dodge ao senador acontece logo depois da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

Resposta da defesa

O ministro Marco Aurélio recebeu uma nota da defesa do senador sobre as acusações. O advogado Alberto Zacharias Toron disse que Aécio é vítima de uma emboscada, arquitetada por criminosos confessos. É citado que o ex-procurador Marcelo Miller teve participação ilícita no caso, prejudicando o senador.

Sobre o valor de R$ 2 milhões, a defesa disse que não se tratava de dinheiro público, mas, sim, de um “empréstimo pessoal”. Por fim, a defesa avalia que não houve crime ou ilegalidade por parte de Aécio.

O senador foi um dos candidatos à Presidência da República no ano de 2014. No entanto, perdeu para Dilma Rousseff, que em seguida sofreu impeachment.

A prisão de Lula deixou investigados na Lava Jato assustados, pois os processos começam a ganhar mais peso e a busca pelo fim da impunidade atinge os políticos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo