O juiz federal Sérgio Moro, titular da 13ª Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, capital do Paraná, e responsável pela condução das ações da Operação Lava Jato em primeira instância no estado, que é considerada a maior operação anticorrupção em toda a história contemporânea brasileira e vista como uma das maiores já desencadeadas em todo o mundo, terá que se debruçar consistentemente em relação ao cumprimento da decretação de prisão do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Vale ressaltar que o ex-mandatário petista se encontra aquartelado na sede do Sindicado dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Região Metropolitana de São Paulo, desde quinta-feira (5), após a o mandado de prisão expedido pelo juiz Sérgio Moro. Apesar da defesa do ex-presidente Lula ter impetrado novos habeas corpus preventivos para que se pudesse evitar a prisão, tanto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) quanto ao Supremo Tribunal Federal (STF), ambas as medidas foram rejeitadas pelos ministros relatores da Operação Lava Jato nos respectivos tribunais: Félix Fischer, do STJ, e Luiz Edson Fachin, do STF.

Atuação da Operação Lava Jato e mandado de prisão contra Lula

A Operação Lava Jato deverá dar uma resposta firme nas próximas horas deste sábado (7) em relação à determinação do cumprimento do mandado de prisão imposta ao ex-mandatário petista. Ele foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão na ação relacionada ao caso do apartamento tríplex do Guarujá (SP).

De acordo com setores da imprensa, como informa o site O Antagonista, trata-se de extrema relevância que já nas próximas horas possa ser cumprido de modo efetivo o mandado de prisão para que não ocorra nenhum tipo de risco de desmoralização da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

Vale salientar que o juiz Sérgio Moro concedeu uma entrevista a uma emissora de televisão chinesa. O magistrado foi contundente ao afirmar que não haveria qualquer tipo de razão para que fosse adiada a ordem de prisão decretada contra o ex-presidente Lula, condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A sentença se refere às investigações que remontam ao mega escândalo do “Petrolão", que culminou em rombos bilionários por meio de desvios nos cofres públicos da maior estatal brasileira, a Petrobras.

Há informações de que Lula deverá ser entregue neste sábado à Polícia Federal após a missa de um ano de morte de sua esposa, Marisa Letícia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo