Conforme informações da revista IstoÉ, em dez dias, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva saíra da prisão, o que será uma grande surpresa para a Operação Lava Jato, ou mais, certamente, um grande golpe.

Segundo a matéria, o novo destino do petista será a prisão domiciliar, com algumas medidas restritivas. Ele não poderá ter atividades políticas e estará impedido de concorrer às próximas Eleições.

O PT continuará insistindo que Lula é o candidato do partido e ninguém pode tirar isso dos petistas, porém fala-se que isso seria uma estratégia já planejada para que eles demonstrem raiva da Justiça, mas tudo já estaria combinado. O acordo foi feito e sacramentado e tem as mãos de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF): Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

A decisão de soltar o ex-presidente virá da Segunda Turma da Corte atendendo um pedido da defesa do condenado.

Como esses três ministros formam maioria e são contra a prisão após condenação em segunda instância, eles vencerão tranquilamente e a decisão deles prevalecerá.

Os advogados de Lula entraram com um recurso tentando derrubar a execução da prisão determinada por Moro alegando que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) teria autorizando a prisão do petista sem que antes, fosse julgados todos os embargos restantes da defesa. O julgamento começou e em breve pode se ter uma surpresa.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula PT

Julgamento virtual

O julgamento acontecerá de uma forma virtual, sem a necessidade, portanto, de uma sessão presencial. O julgamento começa hoje (04) e vai até o dia 10 de maio. Ninguém espera outra decisão a não ser a soltura do condenado. Para muitos, isso seria um vexame gigantesco na história da Justiça Brasileira.

Vale ressaltar que, dias atrás, a Segunda Turma da Corte já retirou se Sérgio Moro trechos do depoimento de ex-executivos da Odebrecht sobre o processo do Sítio de Atibaia que citava o ex-presidente Lula.

A decisão deles foi muito criticada pelos procuradores da Lava Jato, que viram uma decisão sem nexo, já que todas as delações, de uma forma indireta, envolvem a Petrobras e por isso, deveriam ficar com Moro.

Manifestação

Moro se manifestou e disse que não iria enviar para a Justiça Federal de São Paulo o processo que já estava em andamento com ele, conforme tinha pedido a defesa de Lula. Segundo o juiz, não foi retirado dele a competência do caso e, por isso, ele manteria no Paraná as investigações.

Dias depois, o ministro Dias Toffoli confirmou o que Moro havia dito.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo