Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, em sabatina pelo UOL, Folha e SBT, já havia informado que provavelmente Aécio Neves não seria candidato esse ano. A informação parece ser cada vez mais quente. Segundo o Congresso em Foco, o senador não tentará a reeleição por duas razão: primeiro, sua alta rejeição; segundo, para não atrapalhar o palanque do PSDB no estado.

Geraldo Alckmin precisa de um palanque forte em Minas Gerais, o segundo maior colégio eleitoral do Brasil.

Publicidade
Publicidade

Além disso, os tucanos tentarão roubar do PT o governo do Estado, atualmente comandado por Fernando Pimentel. O senador Antonio Anastasia foi o escolhido pelo PSDB mineiro para disputar o pleito.

Quando disputou com Dilma Rousseff o segundo turno, em 2014, Aécio perdeu em Minas Gerais. O medo dos tucanos é que a simples presença de Neves afaste o eleitorado dos candidatos do partido.

Um deputado tucano que preferiu não se identificar afirmou ao Congresso em Foco que ninguém teve autoridade para vetar o nome de Aécio, já que todos, em algum momento, se aproveitaram da trajetória do mineiro.

Senador está com os dias contados
Senador está com os dias contados

Porém, argumentou que sua rejeição pode ser um problema para Alckmin e Anastasia. E completou que sua saída ajudaria a "diluir" o desgaste.

Leia tudo e assista ao vídeo