A presidente do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia concedeu uma entrevista ao "Canal Livre" da TV bandeirantes e deu sinais de que, enquanto estiver no comando da Corte, Lula não terá nenhuma chance com ela [VIDEO]. Sabendo das dificuldades em "dobrar" a ministra, a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, trouxe novos recados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os esparramou em um encontro com membros do PT.

Lula determinou que ninguém defenda um novo substituto para seu lugar na corrida presidencial. No encontro, foi estipulado também que não deve se anunciar um vice, pelo menos por enquanto. O receio de Lula é que o vice não tivesse boa aceitação, ficasse com um patamar péssimo nas pesquisas e o eleitor acabasse ficando sem entusiasmo para apoiar o PT.

Gleisi falou que a ordem é não virar as costas para o ex-presidente e fazer tudo o que ele manda.

Plano montado

Conforme informações da Folha de São Paulo, o PT já bolou quem poderia ser o substituto de Lula, mas tudo tem que ser levado de uma forma sigilosa para que não se crie alarmes.

Nomes que sempre defenderam Lula estão começando a mostrar uma aproximação com a candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) à Presidência da República. Atores como Paulo Betti e Letícia Sabatella e o religioso Frei Betto já estão assinando até documentos em apoio a Boulos.

A estratégia do PT é tentar aos poucos reerguer Boulos e fazer com que ele fique no lugar de Lula, caso ele não passe pela Justiça.

Já estão sendo feitas alianças com movimentos sociais e partidos de esquerda. No documento, entre os que assinaram, estão aqueles que são contra a Operação Lava Jato e difamam o juiz federal Sérgio Moro.

Cármen Lúcia

Diante de todas as estratégias petistas, Cármen Lúcia [VIDEO] ainda detém o comando do Supremo Tribunal Federal (STF) e ela deixou claro que, enquanto estiver na presidência da Corte, não colocará em pauta o assunto sobre a prisão após condenação em segunda instância.

A ministra tem sido resistente contra as investidas do PT e ela se tornou uma defensora da Lava Jato.

Questionada sobre uma possível traição a Lula, a ministra respondeu com convicção que, por mais que Lula a tenha nomeodo, a toga dela pertence ao Brasil e está voltada à Constituição.

Cármen Lúcia tem causado revolta nos petistas e chegou a ter o seu prédio pichado com tinta vermelha. Ela comentou que esses atos violentos são pífios. "É uma reação de violência que não leva a lugar nenhum".