Com a saída de Lula (PT) do cenário político, Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) passaram a ser os protagonistas da corrida presidencial. As eleições estão marcadas para outubro e os dois correm na frente dos demais concorrentes.

Como as mulheres representam poucos mais de 50% dos votos e, logo, são maioria, o voto feminino tem um peso muito grande. E neste ponto os adversários de Bolsonaro estão fazendo uma leitura errada da situação achando que o candidato conservador não é bem visto entre as mulheres.

Pesquisa realizada pelo DataPoder360 mostra que Bolsonaro lidera entre as mulheres bem à frente, por exemplo, de Marina Silva [VIDEO].

Além da ex-senador, há apenas Manuela D’Ávila de mulher na disputa presidencial.

Bolsonaro lidera entre o público feminino

A pesquisa do instituto DataPoder360 foi realizada entre os dias 16 e 19 de abril e ouviu duas mil pessoas em todo o Brasil. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Por conta disso, Bolsonaro lidera isoladamente [VIDEO]. O pré-candidato aparece com 19%. O segundo colocado é Joaquim Barbosa (PSB), que tem 14%. O deputado federal lidera além da margem de erro da pesquisa.

Logo em seguida, uma grande surpresa. Álvaro Dias (Podemos) aparece em terceiro no levantamento com 9%. Ciro Gomes, que já se envolveu em algumas situações polêmicas quando o assunto é mulher, aparece na quarta posição. O ex-governador do Ceará tem 8% da intenção de votos.

Marina Silva, única mulher que aparece nesse levantamento, tem apenas 7% dos votos. Os marqueteiros da ex-senador devem estar estudando o levantamento para saber porque ela, como única mulher com real chance de vencer a disputa, aparece com desempenho tão ruim.

Fernando Haddad (PT), que deve ser o candidato do Partido dos Trabalhadores, tem 6% dos votos. O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin tem apenas 5% dos votos.

Mulheres indecisas sobre quem escolher para presidente

O número de mulheres que votariam branco ou nulo se a eleição fosse hoje é maior do que o número de qualquer candidato: 23%. Além disso, 9% das mulheres não sabem ou não responderam.

Até outubro, muitas mulheres poderão se decidir em quem votar ou poderão mudar de voto. O fato é que uma passada pelas redes sociais mostra muitas mulheres declarando voto a Bolsonaro e usando camisas com a imagem do pré-candidato. O mesmo fenômeno não se repete com outros pré-candidatos e isso pode ser decisivo na urna.