A força-tarefa da maior operação anticorrupção em toda a história recente do Brasil, e uma das maiores já deflagradas e implementadas em todo o mundo; a Operação Lava Jato, da Polícia Federal, poderá ter que se deparar com uma situação extremamente complexa e difícil, a partir da realização de todo o trabalho de investigação da equipe que comanda a operação, principalmente em se tratando dos procuradores e agentes federais que estão concentrados na primeira instância em Curitiba, na décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal paranaense, na capital do estado.

Uma decisão que estará prestes a ter consumada uma decisão nesta terça-feira (15), através de votação na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), poderá ocasionar uma "reviravolta", em se tratando dos trabalhos realizados no que se refere às investigações contra a Corrupção no país. Entretanto, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, poderá ter papel preponderante na situação. A Lava Jato é conduzida em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro.

Votação na Segunda Turma do Supremo

Nesta terça-feira (15), a Segunda Turma da mais alta instância do Poder Judiciário brasileiro, deverá se debruçar em uma votação relacionada ao caso de corrupção investigado na Suprema Corte, que envolve o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR). Uma questão vital para a Operação Lava Jato devera ser colocada em pauta pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

A procuradora-geral da República e chefe do Ministério Público Federal reitera o pedido para que os ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal possam definir já nesta terça-feira (15), se para que seja considerada como configuração de crime, torne-se necessário que uma vantagem indevida, cujo recebimento ocorra por meio do agente público, tenha relação de causa, em relação a ato de ofício por ele praticado ou que seja de sua competência.

De acordo com a manifestação feita pela procuradora-geral Raquel Dodge, observa-se uma indagação em relação a "que tipo de conduta poderia ser enquadrada no conceito de ato de ofício". Vale lembrar que Nelson Meurer é acusado de ser beneficiário de recebimento de propinas, para que fosse dado apoio à permanência do ex-diretor responsável pela área da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa.

Costa se tornou um dos primeiros delatores do mega esquema de corrupção que acarretou a "sangria" dos cofres públicos da maior estatal brasileira, cujo esquema de distribuição de propinas foi denominado de "Petrolão".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo