Nesta última segunda-feira, 21 de maio, o presidente da República Michel Temer assinou um decreto que dá voz às Forças Armadas. O uso efetivo dos militares poderá ser acionado durante as eleições presidenciais deste ano, no entanto precisará de uma solicitação vinda do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na próxima terça-feira (22), o decreto estará disponível no Diário Oficial da União.

O objetivo do decreto é garantir segurança para a população na tão esperada votação presidencial.

Devido o Brasil passar por grandes polêmicas, instabilidade, crise econômica e política e corrupção, as eleições poderão se tornar ''tensas'' precisando do apoio das Forças Armadas caso se estabeleça o caos.

No decreto está escrito que o emprego das Forças Armadas é para garantir a votação e a apuração das eleições de 2018. O TSE será responsável por definir a localidade em que os militares poderão agir, tudo dependerá do órgão judicial.

No dia 7 de outubro de 2018 a população brasileira irá até as urnas eletrônicas para eleger um novo presidente. Desde o impeachment de Dilma Rousseff o país ficou dependente do vice Michel Temer. A votação mostrará a vontade do povo brasileiro mediante o caos na política. Além da votação de presidente haverá também a escolha de deputado estadual e federal, senador e governador. Caso ocorra segundo turno, a votação será realizada no dia 28 de outubro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Michel Temer

Membros das Forças Armadas na política

Seguindo a mesma linha que o candidato à presidência Jair Bolsonaro, muitos militares tentam entrar na carreira política em cargos como de senador, deputado e até mesmo governador de Estado. Cerca de 71 militares da reserva e da ativa estarão presentes nas urnas eletrônicas este ano.

O que chama atenção é o fato de não ser comum militares tentarem cargos políticos.

No entanto, profissionais que atuam na segurança pública como delegados, policiais, bombeiros e guardas municipais são corriqueiros nas eleições.

Fatores como corrupção, falta de segurança pública expressa na calamidade do Rio de Janeiro, e diversos escândalos na política aumentaram a quantidade de militares nas disputas. A crise política trouxe à tona simpatizantes da Intervenção Militar que afirmam não encontrar outra solução para que o Brasil melhore.

Algo que também agrada parte da população é o conservadorismo exposto pelos candidatos.

Jair Bolsonaro é um dos nomes de grande potencial na disputa da presidência da República.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo