Os advogados de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) protocolaram um pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) nessa segunda-feira, 30 de abril. A posição da defesa foi uma afronta à decisão dada pela Segunda Turma do Supremo em tirar do juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), provas envolvendo a delação premiada da construtora Odebrecht.

O desejo dos advogados de Lula é de que Sergio Moro seja excluído totalmente do processo sobre o sítio de Atibaia (SP), no qual o ex-presidente é réu.

O juiz já deu um recado à defesa enfatizando que a Segunda Turma não julgou a competência do juiz, mas, sim, apenas provas da empreiteira Odebrecht que citam o petista.

Moro se recusou a enviar os documentos da ação penal de Lula para a Justiça Federal de São Paulo. Para livrar Lula das mãos do juiz, os advogados entraram com uma reclamação ao Supremo diretamente ao ministro Dias Toffoli, um dos responsáveis por dar o voto contra a ação do juiz federal no processo envolvendo Lula. Toffoli já foi advogado do Partido dos Trabalhadores (PT).

Toffoli relator

A defesa de Lula quer que o Supremo aja contra Moro, fazendo com que o juiz envie todo o processo para outro Estado. Como o juiz da 13ª Vara condenou Lula em primeira instância e decretou a prisão do petista, há grandes chances de que neste outro processo em andamento o ex-presidente também seja condenado por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

A defesa de Lula procura eliminar Sergio Moro, que se tornou uma pedra no sapato do petista.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Lula

Dias Toffoli se tornou o relator do pedido para tirar Lula das mãos de Moro. As informações são do portal O Antagonista. A defesa quer que o processo vá para São Paulo e comece a ser analisado do zero.

Processo do sítio

Lula é acusado de receber propinas equivalentes a R$ 1 milhão entregues pelas empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin para a reforma de um sítio no interior de São Paulo, em Atibaia. A Segunda Turma do Supremo abriu o entendimento que o processo do sítio não tem relação com a corrupção na Petrobras, fazendo com que os depoimentos em delação premiada de executivos da Odebrecht sejam retirados do processo.

As delações citam Lula e serviriam como prova para a ação penal julgada por Sergio Moro.

Os votos da Segunda Turma responsáveis por retirar as delações foram dados pelos ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná. O petista foi condenado na ação penal sobre um tríplex no Guarujá (SP), acusado de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo