Nesta quarta-feira (30), a testemunha Valmir Moraes da Silva, tenente vinculado à equipe de segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, prestou depoimento pessoal ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato (Operação que investiga os maiores crimes de corrupção no país). O servidor fez revelações surpreendentes fatos ocorridos no Sítio de Atibaia, em São Paulo.

Uma audiência que era para ter ocorrido na sexta-feira (25), foi postergada pelo próprio juiz Moro em função da greve dos caminhoneiros que provocou incertezas por todo o país nos últimos dias.

Publicidade
Publicidade

Desta feita, ao prevenir possíveis episódios de violência ou até mesmo pelo desabastecimento de combustível o que talvez dificultasse o acesso das testemunhas à Justiça, o juiz, programou os depoimentos normalmente para a manhã desta quarta (30).

Um dos depoimentos que causou mais estranheza ao magistrado foram as declarações do segurança Moraes da Silva ao afirmar com convicção que o petista esteve no Sítio de Atibaia 72 finais de semana, entre os anos de 2012 a 2015, apesar de Lula negar com veemência que não há vínculo entre ele e a propriedade.

A acusação permite indagar que Lula usufruiu de forma ilícita do valor aproximado de R$ 1,02 milhão em reformas voluptuosas na propriedade. As benfeitorias teriam sido patrocinadas por empresas do ramo de engenharia civil, ou seja, as Construtoras, OAS e Odebrecht. O MPF denunciou Lula como proprietário original do sítio, apesar de estar registrado em nome de Fernando Bittar, um velho conhecido do ex-presidente.

O segurança comentou ainda que tem ciência da quantidade exata de viagens, devido um levantamento que providenciou a título de curiosidade, porém notou relatos da imprensa, afirmando cem finais de semana.

Publicidade

De acordo com o servidor, o petista não pernoitava no local, simplesmente, passava o dia em lazer.

O segurança também afirmou a Moro que o imóvel pertencia a Fernando Bittar e qualquer problema que viesse a ocorrer em Atibaia, Marisa Letícia, esposa falecida de Lula desde fevereiro de 2017, determinou na época, que entrassem em contato com o empresário.

Por fim, Valmir foi questionado sobre Bittar, Fábio e o filho de Lula, o tenente então revelou que os três solicitaram que analisasse um projeto para a instalação de câmeras de segurança na propriedade.

Também foi juntado aos autos o e-mail trocado entre Fernando Bittar e o segurança que combinaram um encontro para tratarem do assunto.

Leia tudo