A dois mil e quinhentos anos atrás, na Grécia helênica, o filósofo Platão (427 a.C. - 347 a.C.), dizia que a solução da política era ter um rei filósofo. Os gregos tinham o entendimento de política, diferente do que se tem hoje. Na verdade, política vem do grego “politikós” que teve origem do termo também grego, “polites”, que pode ser traduzido como, cidadão. Enquanto o “politikos” era o cidadão que se preocupava com a política da cidade-estado – porque naquela época, não se tinha nenhuma unidade grega – o “idiotes”, que queria dizer, “homem privado”. Tinha seus afazeres e estava longe das gestões públicas.

Publicidade
Publicidade

Para o filósofo Platão, só com um homem com um grande conhecimento e uma grande sabedoria, pode se governar um Estado. O que se explica, em tese, que muitas pessoas podem pensar que um político, deveria ou deve ser uma pessoa com conhecimentos para administrar a “coisa pública”.

Com a desistência do ex-ministro Celso Amorim (PT-RJ) – que será vice do ex-presidente Lula (PT-SP) na disputa presidencial – o PT carioca convida para a disputa ao governo do Estado do Rio de Janeiro, a filósofa e professora, Marcia Tiburi.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula PT

Tiburi vem ganhando destaque na mídia por causa das suas falas polêmicas como, que todas as mulheres querem casar com o ex-presidente Lula (PT). Além, de se levantar de uma entrevista, quando viu que estava diante do líder do MBL (Movimento Brasil Livre), Kim Kataguiri.

Segundo o site Nexo, a confirmação veio do vice-presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Alberto Cantalice. Cantalice disse que Tiburi foi convidada e ainda não deu a resposta se aceita ou não o convite.

Publicidade

E ainda enfatiza que a filósofa representa uma renovação da política.

Ao que parece, a disputa já contava com a pré-candidatura de Celso Amorim para a disputa no Rio, acontece que ele desistiu por não empolgar o eleitor. Segundo o site Nexo, no dia 10 de maio, foi publicado pelo “Instituto Paraná” a pesquisa que realizaram, que tinha Amorim como o 6º na colocação. Segundo os números, somente 3,6% de votos teria o ex-ministro. Enquanto, na liderança da pesquisa, estava Romário (Podemos-RJ), com 26,9%.

Em segundo lugar, estava Eduardo Paes (MDB-RJ), com a intenção de votos de 14,1%.

O ex-ministro petista vem atrás do ex-governador, Anthony Garotinho (PRP-RJ), que também foi encarcerado em novembro do ano passado, pela PF, por causa de crimes eleitorais. E que, com a filósofa, o PT poderia tomar um novo folego e disputar igual para igual, o governo do Rio de Janeiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo