Em um evento em Nova York, nesta quarta-feira (16), o juiz federal Sérgio Moro recebeu o prêmio de "Pessoa do Ano" ao lado do ex-prefeito de São Paulo, João Doria, já que o evento foi de iniciativa privada e realizada pela Lide, empresa ligada ao tucano. Em seu discurso, Moro falou sobre as conquistas da Lava Jato e acabou dando um pequeno "cutucão" na Segunda Turma da Corte.

Moro [VIDEO] chegou a dar um exemplo de como as pessoas conseguem misturar as coisas. Qualquer objeto ou ação já é alvo de críticas e comentários degradantes. O magistrado disse que ao escolher a gravata para o discurso, se viu nesse grande empecilho.

A cor dela poderia causar imaginações em várias pessoas. Na dúvida entre a vermelha e a azul, ele resumiu um pensamento seu. Se colocar a vermelha, poderia significar Partido Republicano ou Partido dos Trabalhadores. Se colocar a azul, poderia ser o PSDB ou o Partido Democrata.

O juiz afirmou que não teve nenhum receio em aceitar o convite para o evento que reúne centro de estudos e grupos empresariais. Alvo de várias críticas, principalmente de sites ligados à Esquerda, Moro rebateu dizendo que está num evento social e tirar uma foto não significa nada. "É uma bobagem isso". Ele ressaltou que não se arrepende de nada e afirmou que não tem nenhuma relação pessoal com Doria.

Protestos

O juiz acabou sendo alvo de alguns protestos na porta do Museu de História Natural, mas em seu discurso desfez qualquer impressão de que tenha agido em prol do interesse de algum partido.

O juiz explicou que a corrupção chegou a vários partidos políticos e todos irão responder por seus atos.

STF

Em vários momentos de seu discurso, o juiz citou o Supremo Tribunal Federal (STF) afirmando a importância de ser mantida a jurisprudência da Corte sobre o assunto prisão após condenação em segunda instância. Ele enalteceu o voto de vários ministros, pois para o juiz, esse entendimento não pode mudar por ser uma grande força contra a impunidade.

O juiz acabou dando um pequeno "cutucão" na Segunda Turma da Corte. De acordo com o magistrado, a corrupção [VIDEO] é algo devastador e que depende de reformas para que tudo vá para o melhor caminho. Ele lembrou da refinaria Abreu e Lima que tinha orçamento de US$ 3,5 bilhões, mas custou US$ 18 bilhões e até hoje não foi concluída.

Vale lembrar que esse caso da refinaria de Abreu e Lima foi retirado das mãos de Moro pelos ministros da Segunda Turma. Eles decidiram remeter para uma das varas federais de Recife o depoimento dos ex-executivos da Odebrecht que relataram supostos abusos nas obras dessa refinaria.