O ex-ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], Joaquim Barbosa, fez revelações contundentes, momentos antes de anunciar sua desistência à disputa eleitoral para a Presidência da República neste ano. O ex-magistrado da Suprema Corte brasileira resolveu "abrir o jogo" se referir aos "embates" ocasionados entre a defesa do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela condução da maior operação anticorrupção em toda a história recente do país; a Operação Lava Jato [VIDEO], da Polícia Federal.

Vale ressaltar que o ex-mandatário petista encontra-se preso na Superintendência da Polícia Federal, na décima terceira Vara Criminal Federal da Justiça de Curitiba, no estado do Paraná, sede da Lava Jato em primeira instância.

Lula foi condenado pela prática criminosa de "colarinho branco", a mais de doze anos e um mês de prisão em regime fechado por crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Conversas nos bastidores da política

De modo surpreendente, o ex-ministro da Suprema Corte de Justiça do Poder Judiciário, Joaquim Barbosa, resolveu se expressar sobre a situação criminal envolvendo o ex-presidente Lula. De acordo com o ex-magistrado, a estratégia da defesa do ex-mandatário petista foi extremamente "esculhambada" e que acabou prejudicando ainda mais a situação do petista. Vale lembrar que Joaquim Barbosa já criticou a prisão de Lula, o que acabou acarretando rumores de que o ex-ministro tivesse "destoado" das ações implementadas pela força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato.

De acordo com membros integrantes do Partido Socialista Brasileiro (PSB), em que Barbosa se filiou, duras críticas foram feitas pelo ex-magistrado do Supremo Tribunal Federal, momentos antes de sua desistência à disputa do próximo pleito eleitoral deste ano, com vistas ao Palácio do Planalto.

Joaquim Barbosa criticou a estratégia levada a cabo pela defesa do ex-presidente Lula, em se tratando da tática de "confrontar" diretamente o juiz Sérgio Moro.

As informações repassadas pela Revista "Veja" dão conta ainda de que o ex-ministro Joaquim Barbosa afirmou que se outro ex-ministro da Suprema Corte, Sepúlveda Pertence, tivesse sido contratado pela equipe de advogados de Lula, logo desde o início dos processos em que Lula esta envolvido, como por exemplo, o caso do Tríplex do Guarujá que acarretou na condenação do ex-presidente petista, a situação poderia ter sido bem diferente sem que Lula não estivesse enfrentando algo tão dramático para ele, como se deparar com o cumprimento de uma pena em regime fechado na cadeia.

Entretanto, apesar do momento complicado vivenciado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), a agremiação esquerdista decidiu manter, pelo menos até o presente momento, a candidatura de Lula à Presidência da República, apesar de todo o isolamento que isso venha a resultar.

Um dos claros exemplos disso, é uma carta enviada por Lula à presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. O ex-mandatário petista escreveu que "se ele aceitar a ideia de que não seja candidato, seria o mesmo que tivesse assumido que cometeu um crime".