O juiz federal Sérgio Moro negou, nesta quinta-feira (24), um pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para se afastar do processo que investiga reformas no sítio de Atibaia.

A defesa de Lula entrou com esse pedido após Moro ter tirado fotos em um evento da empresa Lide [VIDEO], que tem ligação com o ex-prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB). Para os advogados do petista, o juiz não poderia tirar foto com Doria pois seria incompatível com sua imparcialidade de quem, segundo eles, se espera ao julgar a ação penal do sítio.

Nesse evento, o juiz recebeu o prêmio de "Pessoa do ano".

O juiz negou o pedido dos advogados e explicou, em seu despacho, que a Lide é uma associação empresarial e seria formada, conforme seu site, por Luiz Fernando Furlan, Roberto Giannetti da Fonseca e Gustavo Ene, além de outros representantes do setor privado.

De acordo com o juiz, tirar uma foto em um evento não significa nada, além de uma fotografia com pessoas ali presentes. O juiz explicou que é normal, em eventos, as pessoas tirarem fotos e citou o próprio ex-presidente Lula como um exemplo disso. Moro falou que o petista já tirou várias fotos com políticos oposicionistas e não foi, por causa da foto que eles eram ou se tornaram aliados de Lula.

Para reforçar seus argumentos, o magistrado comentou que se colocar nos links de busca frase como "fotos de Lula com Aécio", aparecerão várias imagens do petista com o tucano e os dois lado a lado e rindo.

O juiz citou também que é fácil encontrar fotos de Lula com outros políticos presos e isso não significa que o ex-presidente seria cúmplice deles em alguma atividade criminal.

Moro incluiu no despacho uma outra frase como exemplo: "Fotos de Lula com Geddel".

Diante disso, se encontra o ex-presidente ao lado do ex-ministro Geddel Vieira Lima, que está preso na Papuda.

O juiz ressaltou que sempre é bom um magistrado evitar fotos com agentes políticos para que não surjam interpretações erradas ou negativas. Porém, uma coisa é certa. O juiz disse que fotografias não podem ser evitadas em eventos públicos ou sociais.

Palestra

Em relação a uma palestra que Moro teria discursado no evento da Lide, o juiz comentou que não teve remuneração e falou da grande responsabilidade que o setor privado tem com a integridade do Governo e do mercado no Brasil.

Ele reiterou que o nome de Lula [VIDEO] em nenhum momento foi citado durante a palestra. Foi citada apenas a prisão de um ex-presidente.